Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A narrativa de tolerância dos Emirados Árabes é uma ‘farsa’ para a Human Rights Watch

Com o início da Dubai Expo 2020, a “narrativa de tolerância” dos Emirados Árabes foi considerada uma “farsa” pela HRW

Com o início da Dubai Expo 2020, a “narrativa de tolerância” dos Emirados Árabes foi considerada uma “farsa” pela Human Rights Watch em seu último relatório sobre a repressão em larga escala de Abu Dhabi, incluindo críticos domésticos, pesquisadores, acadêmicos e especialistas da ONU, governos e empresas para evitar contribuir para os esforços do reino para encobrir seus abusos.

Críticos domésticos são presos rotineiramente, disse o relatório, apontando que a repressão dos Emirados Árabes piorou desde pelo menos 2015, quando as autoridades começaram a ignorar ou negar pedidos de acesso ao país por especialistas da ONU, pesquisadores de direitos humanos, acadêmicos críticos e jornalistas.

“Dezenas de críticos internos pacíficos dos Emirados Árabes foram presos, submetidos a julgamentos flagrantemente injustos e condenados a muitos anos de prisão simplesmente por tentarem expressar suas ideias sobre governança e direitos humanos”, disse Michael Page, vice-diretor do Oriente Médio da Human Rights Watch. “A Expo 2020 é mais uma oportunidade para os Emirados Árabes se apresentarem falsamente no cenário mundial como aberto, tolerante e respeitador de direitos, fechando o espaço para a política, o discurso público e o ativismo.”

LEIA: Israel está ‘muito feliz’ por participar da atrasada Expo 2020 Dubai

A adiada Expo 2020 começa hoje e segue até 31 de março de 2022, com o tema, “Conectando Mentes, Criando o Futuro”. Os organizadores disseram que o tema deste ano é “baseado na crença de que unir o mundo pode catalisar uma troca de novas perspectivas”.

Essa narrativa de abertura e tolerância, no entanto, foi considerada uma “farsa” pela HRW em seu relatório. “Este evento, assim como outros eventos caros de entretenimento, culturais, esportivos e educacionais anteriores a ele, foi criado para promover uma imagem de relações públicas dos Emirados Árabes como um país aberto, progressista e tolerante, enquanto suas autoridades abusivas barram com força todas as críticas pacíficas e a dissidência”, disseram os grupos de direitos. O Parlamento Europeu pediu o boicote à Dubai Expo 2020, no mês passado, por causa de preocupações semelhantes.

A HRW citou um catálogo de agressões aos direitos básicos por parte dos Emirados desde 2011, após o levante pró-democracia. Abu Dhabi foi uma das forças contra-revolucionárias mais potentes e desempenhou um papel decisivo na repressão às populações árabes em toda a região, que pediram o fim de décadas de regime autoritário e desgoverno.

Desde 2011, as autoridades dos Emirados Árabes realizam um ataque contínuo à liberdade de expressão e associação, prendendo e processando centenas de advogados independentes, juízes, professores, estudantes e ativistas, e fechando associações importantes da sociedade civil e escritórios de organizações estrangeiras, esmagando efetivamente qualquer espaço para dissidência

disse a HRW. Ele também observou que os Emirados Árabes introduziram novas leis e emendaram outras já repressivas para suprimir ainda mais a liberdade de expressão e eliminar a dissidência com mais facilidade.

O aparelho de segurança instalado pelos Emirados Árabes para fins de repressão foi descrito no relatório, bem como os nomes das vítimas, incluindo o ativista dos direitos humanos dos Emirados Ahmed Mansoor. A notória tecnologia de spyware israelense fabricada pelo Grupo NSO foi citada entre as técnicas de repressão utilizadas por Abu Dhabi.

Governos e empresas foram instados a evitar contribuir com os esforços das autoridades dos Emirados Árabes para encobrir seus abusos. “Com prisões generalizadas, intimidação, vigilância e retaliação que os cidadãos e residentes enfrentam por se manifestarem, os participantes da Expo e outros países devem levantar preocupações sobre abusos de direitos nos Emirados Árabes”, disse Page. “Os países participantes da exposição devem garantir que não estão ajudando os Emirados Árabes a manchar sua imagem e ocultar seus abusos.”

LEIA: Catar entra no circuito de Fórmula 1 em novembro

Categorias
Emirados Árabes UnidosHRWNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments