Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Catar entra no circuito de Fórmula 1 em novembro

Pilotos no Grande Prêmio da Rússia de Fórmula 1 no Autódromo de Sochi 26 de setembro de 2021 [Alexander Nemenov/ AFP / Getty Images]

O Qatar sediará corridas de Fórmula 1 em 21 de novembro, como parte de um acordo de dez anos anunciado hoje.

O estado do Golfo se tornou o terceiro cenário do Oriente Médio para o Grande Prêmio, depois que Bahrein sediou o primeiro circuito em 2004 e ABu Dhabi em 2009.

O acordo com o Catar é para uma corrida no circuito de Losail, fora de Doha, e por dez anos a partir de 2023, quando o país sediar a Copa do Mundo de futebol de 2022, relata a Reuters.

A Arábia Saudita, também inscrita há pelo menos uma década, fará sua estreia em dezembro com uma corrida noturna em Jeddah, enquanto o Catar será o primeiro em 21 de novembro. Abu Dhabi termina a temporada em 12 de dezembro.

A Fórmula 1, um esporte europeu cujos direitos comerciais são controlados pela Liberty Media, dos Estados Unidos, desde 2017, está ansiosa para esticar o calendário e atingir um público novo e mais jovem.

“A região é extremamente importante para nós e com 70% da população da Arábia Saudita com menos de 30 anos, estamos entusiasmados com o potencial de alcançar novos fãs”, disse o ex-presidente-executivo da F1, Chase Carey, no ano passado, quando a corrida de Jeddah foi confirmada.

LEIA: Empresa de Dubai oferece amortização da dívida de US$ 1,6 bilhão do Barcelona

As taxas de hospedagem da corrida também são um elemento-chave do modelo de negócios do esporte, junto com as receitas de televisão e patrocínio.

O esporte já planeja um recorde de 23 corridas em 2022, após 22 nesta temporada e apenas 17 em 2020, com Miami também devendo entrar a bordo como uma segunda corrida nos Estados Unidos junto com Austin.

Bahrain e Abu Dhabi, cujo circuito Yas Marina foi considerado a pista de corrida mais cara já construída quando entrou em cena, estima-se que cada um pague mais de US $ 40 milhões anuais em taxas de hospedagem.

A Arábia Saudita e o Catar podem ser os mais lucrativos até agora – uma boa notícia para um esporte cujas receitas foram prejudicadas por US $ 877 milhões, uma queda de 43%, no ano passado, quando a pandemia de covid-19 forçou cancelamentos e corridas sem multidões.

A gigante de energia estatal saudita Saudi Aramco é uma parceira global da Fórmula 1 e as empresas sauditas já patrocinaram equipes no passado.

O fundo de investimento soberano Mumtalakat do Bahrein possui 62,55 por cento da McLaren e em julho passado o Fundo de Investimento Público (PIF) da Arábia Saudita e a firma de investimento global Ares Management forneceram US $ 547,12 milhões de novo capital ao Grupo McLaren.

A Arábia Saudita tem o Rally Dakar, Extreme E e Fórmula E, enquanto o Qatar recebe o MotoGP desde 2004.

Ativistas de direitos humanos acusam o Bahrein e a Arábia Saudita de ‘lavagem esportiva’, usando eventos internacionais de alto perfil para criar uma imagem positiva. O tratamento que o Catar dá aos trabalhadores migrantes de baixa remuneração também foi analisado de perto.

Categorias
Arábia SauditaBahreinCatarEmirados Árabes UnidosNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments