Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Aquisição do Newcastle pelos sauditas pode seguir, mas sem o governo na direção

Emblema do clube de futebol Newcastle United [Kelly McClay / Flickr]

A polêmica oferta da Arábia Saudita para adquirir o Newcastle United Football Club pode ser sancionada com a condição de que o governo de Riade não esteja envolvido como diretor de forma alguma. A decisão final não é esperada antes do início do próximo ano, quando um processo de arbitragem entre o clube e a Premier League inglesa decidirá se a compra bloqueada pode prosseguir.

Em julho do ano passado, um consórcio apoiado pela Arábia Saudita encerrou sua oferta para comprar o Newcastle United em um negócio de US $ 447 milhões. Grupos de direitos humanos têm pedido à Premier League que examine o acordo e não permita que o Reino faça uma “lavagem esportiva” de seus abusos de direitos humanos por meio da compra do clube.

O vizinho da Arábia Saudita, Catar, também se opôs ao acordo. O governo em Doha afirmou em uma carta à liga que as regras da competição foram quebradas, o que deveria desqualificar o Fundo de Investimento Público Saudita de assumir a propriedade de um dos clubes de futebol mais conhecidos da Grã-Bretanha.

O dono do Newcastle, Mike Ashley, e a Premier League estão envolvidos em uma disputa legal desde então sobre o que ele afirma ter sido uma rejeição injusta da compra do clube. Ashley está reivindicando uma indenização e buscando um acordo semelhante com potenciais compradores se a Premier League reverter sua decisão.

LEIA: Catar entra no circuito de Fórmula 1 em novembro

Durante a audiência de ontem, a empresa St James ‘Holdings’ Ltd (SJHL) da QC Daniel Jowell Ashley afirmou que as perdas foram substanciais e ultrapassaram U$ 13 milhões). Ele também disse que não havia evidências de que o consórcio apoiado pela Arábia Saudita permanecesse na mesa, o que significa que uma nova oferta, em que o governo de Riade não seja nomeado como diretor, poderia receber luz verde.

A Premier League rejeitou o acordo no verão passado porque ele falhou nas regras sobre quais podem ser  os proprietários e diretores. Aparentemente, um dos motivos de recusa era que não havia uma distinção clara entre o consórcio que pretendia comprar o clube do Nordeste da Inglaterra e o Reino da Arábia Saudita.

Categorias
Arábia SauditaEuropa & RússiaNotíciaOriente MédioReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments