Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Hamas apela a Hamdok a parar de assediar palestinos no Sudão

O chefe exilado do Hamas Khaled Meshaal (dir.) senta-se ao lado do ex-presidente sudanês, Omar al-Beshir, durante a abertura da oitava conferência da Fundação Internacional Al-Quds (Jerusalém) na capital sudanesa, Cartum, em 6 de março de 2011 [Ebrahim Hamid/AFP via Getty Images]

O Movimento de Resistência Islâmica Palestina Hamas pediu, na sexta-feira, que o chefe do Conselho de Soberania do Sudão, Abdel Fattah Al-Burhan, e o primeiro-ministro sudanês, Abdullah Hamdok, parem de assediar os palestinos no país.

Em nota, o Hamas pediu a Al-Burhan: “Interferir pessoalmente para parar de assediar os palestinos no Sudão, incluindo assumir seus investimentos, casas e empresas, que eles adquiriram e construíram legalmente e com a concordância do Estado”.

Na quarta-feira, a Reuters informou que funcionários de uma força-tarefa criada para desmantelar o regime do presidente deposto Omar Al-Bashir apreenderam imóveis, ações da empresa, um hotel em uma localização privilegiada em Cartum, uma casa de câmbio, uma estação de TV e mais de um milhão de hectares de terras agrícolas.

LEIA: O cerco israelense-egípcio à Faixa de Gaza deve terminar incondicionalmente e sem demora

No dia seguinte, o Hamas negou ter quaisquer ativos ou investimentos no Sudão. “Não temos nenhum investimento no Sudão”, anunciou o porta-voz do Hamas Hazem Qassem em um comunicado, apontando que todos os ativos mencionados eram propriedade de empresários palestinos e investidores que não têm ligações com o Hamas.

O Hamas reiterou que não tem nenhum problema com a autoridade no Sudão, citando uma “história brilhante de boas relações” entre o Sudão e os palestinos.

O movimento de resistência palestina também citou o apoio de consecutivos governos sudaneses à questão palestina.

“Esperamos que o povo palestino e a questão palestina se distanciem do desenvolvimento político dentro do Estado árabe, considerando que a Palestina é uma questão central para as nações árabes e muçulmanas”, afirmou o Hamas.

LEIA: Comércio tem forte aumento entre Israel e os países árabes desde a normalização

Em 23 de outubro de 2020, o Sudão anunciou a normalização dos laços com o estado de ocupação israelense, apesar da oposição do povo sudanês e da maioria dos movimentos políticos sudaneses e ONGs, incluindo facções que fazem parte do corpo governante.

Enquanto isso, Hussein Al-Sheikh, assessor sênior do presidente da Autoridade Palestina (AP), Mahmoud Abbas, pediu que a liderança sudanesa entregasse os bens confiscados dos palestinos no Sudão para a AP.

Conforme relatado pela agência de notícias Maydan Qatar, Al-Sheikh confirmou que o tesouro da AP “precisa de cada centavo dos ativos palestinos no Sudão”.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestinaSudão
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments