Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O cerco israelense-egípcio à Faixa de Gaza deve terminar incondicionalmente e sem demora

Palestinos protestam contra o bloqueio de Israel em Khan Yunis, Gaza em 25 de agosto de 2021 [Agência Mustafa Hassona / Anadolu]
Palestinos protestam contra o bloqueio de Israel em Khan Yunis, Gaza em 25 de agosto de 2021 [Agência Mustafa Hassona / Anadolu]

Isso é demais para o exército israelense supostamente querer “reduzir” o número de palestinos que dispara. Um soldado israelense atirou e matou outra criança palestina na Faixa de Gaza sitiada em 21 de agosto. Omar Hasan Abu Al-Nil tinha apenas 13 anos. O menino sucumbiu aos ferimentos no último sábado.

De acordo com testemunhas oculares, Omar estava assistindo – pacificamente, é preciso dizer – um protesto contra o cerco de Gaza liderado por Israel. Um atirador de elite do exército israelense calma e deliberadamente – agindo sob as ordens de seu oficial comandante – olhou pela mira de sua arma e atirou no pescoço do menino. Omar perdeu a consciência imediatamente.

Sua morte significa que assassinos do exército israelense acabaram com a vida de 73 crianças palestinas na Cisjordânia e na Faixa de Gaza somente neste ano.

“As forças israelenses rotineiramente atiram e matam crianças palestinas com impunidade em circunstâncias que sugerem mortes ilegais e intencionais”, disse Ayed Abu Eqtaish, do grupo de direitos humanos Defence for Children International Palestine. Abu Eqtaish pediu responsabilidade e o  “fim das vendas de armas e do apoio às forças israelenses”.

O cerco de Gaza é uma injustiça israelense longa e contínua. Mesmo antes de ser totalmente imposto em 2007, Israel havia decretado por anos o bloqueio militar do território, fechando seus pontos de passagem conforme a sua vontade. O cerco resultou no colapso inteiramente previsível da economia palestina em Gaza.

Não é de se admirar que palestinos comuns em todo o território tenham se levantado contra essa injustiça estranguladora e estejam mais uma vez marchando em protestos pacíficos contra o cerco. Isso, lembre-se, ocorre apesar da possibilidade muito real de que eles possam ser baleados e mortos, ou sofrer ferimentos que mudem sua vida simplesmente por defenderem seus legítimos e básicos direitos humanos e políticos.

Mais de dois milhões de pessoas vivem hoje no pequeno enclave costeiro, metade delas crianças. Cerca de 80 por cento da população são refugiados e seus descendentes de dentro do que hoje é conhecido como Israel; suas cidades e vilas estão dentro da histórica Palestina, que está ocupada desde 1948.

LEIA: Anhar Al-Deek e as variadas formas de violência praticadas por Israel

Entre 1947 e 1949, as milícias sionistas expulsaram deliberada e sistematicamente cerca de 800.000 palestinos. Embora tenham o direito legítimo de retornar, eles nunca foram autorizados a fazê-lo, apenas porque não são judeus.

Hoje, o único ponto de passagem sobre o qual Israel não tem controle total é na cidade de Rafah, no sul de Gaza, que vai de e para o Egito. No entanto, a ditadura militar apoiada pelos EUA que governa o Egito desde o golpe de 2013 também é cúmplice voluntária do cerco. Outro exemplo de cumplicidade egípcia foi testemunhado na semana passada.

Os palestinos protestaram mais uma vez na cerca da fronteira, na quarta-feira, 25 de agosto. Soldados israelenses mais uma vez dispararam munição real contra os manifestantes; seus oficiais teriam ordenado que as tropas se comportassem “mais agressivamente” com os palestinos.

Cinco dos feridos foram baleados com munição real. O jornalista Taha Raafat Baker, 32, foi atingido na perna por uma bomba de gás lacrimogêneo; outra criança estava entre os feridos, disse o grupo palestino de direitos humanos Mezan.

O Egito respondeu aos ataques israelenses contra manifestantes palestinos ajudando os assassinos israelenses e punindo suas vítimas palestinas. O regime do Cairo impôs o fechamento indefinido da passagem de Rafah. A passagem de mercadorias Salah Al-Din – onde apenas alguns itens têm permissão para entrar em Gaza nos melhores horários – também está fechada.

Centenas de palestinos estão agora completamente presos no Egito. Muitos estão ficando sem dinheiro e não têm meios de acessar redes de apoio familiar; transferências internacionais de dinheiro de e para Gaza são geralmente impossíveis de fazer.

No entanto, o Egito é apenas um componente da conspiração internacional contra a população civil da Faixa de Gaza. Como Tamara Nassar, minha colega do Electronic Intifada observou, a ONU e o Catar também estão conspirando no cerco. Ambos concordaram em implementar um programa que dá a Israel o direito de veto sobre a lista de palestinos que receberão ou não ajuda alimentar.

Esta é uma punição coletiva, mais um dos muitos crimes de guerra de Israel. Quantos crimes mais  lhe será permitido cometer impunemente antes que o cerco de Gaza seja encerrado? Isso deve acontecer incondicionalmente e sem demora.

LEIA: Bennett está seguindo a agenda militar israelense e dos EUA

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoInquéritoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments