Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Iraquiano torturado até confessar a morte da esposa é enfim libertado

Policiais iraquianos em Bagdá, 22 de dezembro de 2020 [AHMAD AL-RUBAYE/AFP/Getty Images]

Um homem iraquiano que foi torturado pela polícia até confessar o assassinato de sua esposa — portanto, condenado à prisão — foi finalmente libertado, no início da semana, quando a suposta vítima voltou viva para a casa.

O caso data de junho, quando investigadores da província de Babil anunciaram que Ali Kazem Abd Hamidan, oficial do exército, confessou matar a mulher desaparecida em abril.

Na ocasião, a polícia iraquiana divulgou um vídeo no qual Ali relatava como ateou fogo na esposa e desovou o corpo em um rio, devido a uma disputa familiar.

Não obstante, a vítima retornou para casa de sua família nesta semana, incitando um debate público sobre o uso de tortura para extrair confissões.

Um parente de Ali confirmou que o então investigado sofreu tortura e chegou a denunciá-la durante seu julgamento e reivindicar exame médico. No entanto, os juízes adiaram a perícia por 35 dias até que os traços de violência desaparecessem.

Segundo o relato, policiais insultaram, chutaram, socaram e eletrocutaram Ali por horas.

Detalhes de onde estava sua esposa não foram revelados.

LEIA: Faz escuro: os sons da tortura em obras da 34ª Bienal de São Paulo

Categorias
IraqueNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments