Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Estados Unidos devolve a Tábua Gilgamesh, de 3.500 anos, ao Iraque

Membros da equipe do Ministério das Relações Exteriores do Iraque trabalham em torno de caixas de antiguidades iraquianas saqueadas devolvidas pelos Estados Unidos, antes de uma cerimônia de entrega no ministério na capital Bagdá, em 3 de agosto de 2021 [Sabah Arar/AFP via Getty Images]

A Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) comemorou uma vitória significativa na luta contra o tráfico ilícito de objetos culturais quando uma das mais antigas obras literárias da história for formalmente devolvida ao Iraque pelos Estados Unidos da América em uma cerimônia na Smithsonian Institution em Washington DC nesta quinta-feira, 23 de setembro. Além desta peça excepcional, em julho, o governo americano facilitou a repatriação voluntária de 17 mil artefatos para o Iraque que foram descobertos como tendo sido saqueados nas últimas décadas.

Feita de barro, a Tábua Gilgamesh inclui inscrições em sumério, uma civilização da antiga Mesopotâmia. Ela apresenta seções de um poema sumério do “épico de Gilgamesh”, que formam partes de histórias épicas espelhadas pelo Antigo Testamento, tornando-a um dos mais antigos textos religiosos conhecidos do mundo.

Tábua Gilgamesh [Imigração e Alfândega dos Estados Unidos] 

Acredita-se que a Tábua Gilgamesh, também conhecida como a “Tábua dos Sonhos Gilgamesh”, foi saqueada de um museu no Iraque após o conflito no país em 1991. Em 2007 foi introduzida fraudulentamente no mercado de arte dos EUA e em 2019 foi apreendida pelo Departamento de Justiça dos EUA, segundo a UNESCO.

“Ao devolver esses objetos adquiridos ilegalmente”, explicou a diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, “as autoridades aqui nos Estados Unidos e no Iraque estão permitindo que o povo iraquiano se reconecte com uma página de sua história. Esta restituição excepcional é uma grande vitória sobre aqueles que mutilam a herança e depois a traficam para financiar a violência e o terrorismo”.

O roubo e o tráfico ilícito de artefatos antigos continua sendo uma fonte chave de financiamento para grupos terroristas e outras organizações criminosas organizadas.

De acordo com a Interpol, houve um considerável aumento global na destruição do patrimônio cultural devido ao conflito armado durante a última década.

LEIA: Novos selos do Iraque para marcar encontro do Papa com Sistani

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosIraqueNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioUnesco
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments