Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Síria ainda está insegura para o retorno de refugiados, apurou investigação da ONU

Sírios que se abrigam em um campo aguardam ajuda enquanto exigem que a passagem de fronteira de Bab Al-Hawa permaneça aberta para receber qualquer ajuda humanitária em Idlib, Síria, em 30 de junho de 2021 [Muhammed Said/Agência Anadolu]

A Síria ainda não é segura para o retorno de refugiados uma década após o início do conflito, disseram investigadores de crimes de guerra da ONU, documentando o agravamento da violência e violações de direitos, incluindo detenção arbitrária por forças do governo, relatou a Reuters.

A Comissão de Inquérito da ONU sobre a Síria disse que a situação geral está cada vez mais sombria, observando as hostilidades em várias áreas do país fraturado, sua economia em colapso, leitos de rios secando e o aumento dos ataques do Daesh.

“Uma década depois, as partes em conflito continuam a perpetrar crimes de guerra e crimes contra a humanidade e violando os direitos humanos básicos dos sírios”, disse o Presidente da Comissão, Paulo Pinheiro, divulgando seu 24º relatório.

“A guerra contra os civis sírios continua e é difícil para eles encontrarem segurança ou refúgio neste país devastado pela guerra.”

Os incidentes de detenção arbitrária e incomunicável pelas forças governamentais continuaram, disse o relatório.

“A Comissão continuou a documentar não apenas tortura e violência sexual na prisão, mas também mortes sob custódia e desaparecimentos forçados”, disse um comunicado à imprensa.

A guerra, que resultou de um levante contra o governo do presidente Bashar Al-Assad, gerou a maior crise de refugiados do mundo. Os vizinhos da Síria acolhem 5,6 milhões de refugiados, enquanto os países europeus acolhem mais de um milhão.

LEIA: ‘Minha arma é meu corpo’, diz a dançarino sírio Nidal Abdo

Refugiados em alguns países enfrentaram pressão para voltar.

Embora Al-Assad tenha recuperado a maior parte da Síria, áreas significativas permanecem fora de seu controle: as forças turcas estão posicionadas em grande parte do norte e noroeste – o último grande bastião de grupos de oposição antiAssad e as forças dos EUA estão estacionadas no leste controlado pelos curdos e nordeste.

A comissária Hanny Megally disse que houve um “retorno dos cercos e táticas semelhantes” no sudoeste da Síria – uma área onde as forças governamentais apoiadas pela Rússia empreenderam uma campanha para exterminar um bolsão da oposição na cidade de Daraa.

Cobrindo o ano até o final de junho, o relatório também observou o aumento das hostilidades no noroeste, dizendo que mercados, áreas residenciais e instalações médicas foram atingidas por ar e por terra, “muitas vezes indiscriminadamente, causando numerosas vítimas civis”.

Pelo menos 243 pessoas foram mortas ou mutiladas em ataques com sete carros-bomba nas cidades controladas pelos rebeldes de Afrin e Ras Al-Ain ao norte de Aleppo, apesar de o número total de vítimas ter sido consideravelmente mais alto, disse o relatório.

LEIA: Líbano promete não deportar refugiados sírios

Categorias
NotíciaOriente MédioSíria
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments