Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Relembrando o início da Revolução Síria

Após três dias seguidos de protestos, o presidente sírio Bashar Al-Assad ordenou aos militares que atacassem os manifestantes

Em março de 2011, quando protestos anti-governamentais varreram o Oriente Médio, os sírios clamaram pacificamente por mudanças políticas após décadas de governo autocrático. Inicialmente, as manifestações na Síria foram modestas, mas depois que 15 meninos foram sequestrados e torturados pelas forças de segurança em Daraa por grafitarem em algumas paredes, eles se expandiram, espalhando-se por quase todas as grandes cidades do país. Três dias após as manifestações, o presidente sírio Bashar Al-Assad ordenou aos militares que atacassem os manifestantes, arrastando o país para uma guerra civil que já tirou a vida de mais de 600.000 pessoas, gerou a criação de Daesh, e resultou em intervenções internacionais. À medida que a violência começa a diminuir, as esperanças dos revolucionários sírios estão em jogo.

O que: Início da Revolução Síria

Onde: Cidades em toda a Síria

Quando: 15 de março de 2011

O que aconteceu?

Após revoluções bem-sucedidas na Tunísia e no Egito, no início de 2011, os protestos já estavam dominando a maior parte do mundo árabe. Inspirados pelo que assistiram na televisão, em grupo de estudantes escreveu slogans revolucionários em um muro, na província de Daraa, no sul da Síria: “O povo quer a queda do regime”.

A polícia secreta local prendeu 15 meninos com idade entre 10 e 15 anos, detendo-os sob o controle do General Atef Najeeb, primo do Presidente Bashar Al-Assad. Os meninos foram espancados, eletrocutados, queimados e tiveram suas unhas arrancadas, provocando grande tumulto em 15 de março. Três dias depois, as forças de segurança abriram fogo sobre os manifestantes, matando três e ferindo outras dezenas. A brutal repressão se intensificou nas semanas seguintes; em 23 de março, a Mesquita Al-Omari de Daraa, que tinha sido um refúgio para os feridos, foi invadida pelas Forças Especiais e cinco pessoas foram mortas. Semanas depois, na cidade de Douma, um funeral foi atacado enquanto os enlutados se reuniam para enterrar os manifestantes mortos poucos dias antes.

Em 25 de março, os protestos haviam se espalhado por todo o país. As forças de segurança foram enviadas para responder; elas não apenas usaram canhões de água e gás lacrimogêneo, mas também espancaram os manifestantes e dispararam com munição real. Milhares de pessoas foram detidas e acusadas de perpetrar atos violentos, apesar de muitos dos manifestantes carregarem flores para mostrar sua intenção pacífica. Os comícios exigiram reformas políticas e econômicas e o fim do estado de emergência de 50 anos do país, bem como a libertação dos presos políticos e o levantamento das restrições que haviam exilado sírios pertencentes à Irmandade Muçulmana.

LEIA: A ONU fracassou com a Síria ou é cúmplice dos crimes do regime?

Com o aumento das operações militares contra civis, em 29 de julho de 2011, um grupo de oficiais do exército que haviam desertado do regime anunciou a criação do Exército Sírio Livre (FSA), com o objetivo de retirar o Presidente Assad do poder.

Como as forças governamentais continuaram a lançar ataques aos manifestantes em todo o país, o FSA cresceu em número e retaliou atacando bases do exército e quartéis-generais de inteligência. Em julho de 2012, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha declarou que os combates se tornaram tão disseminados que deveriam ser considerados como uma guerra civil.

O que aconteceu depois?

A guerra se intensificou significativamente em 2012, quando um acordo de cessar-fogo mediado pelo então Secretário-Geral da ONU Ban Ki-moon entrou em colapso após o massacre de mais de 100 pessoas na cidade de Homs pelas forças governamentais. Os combatentes da FSA lançaram ofensivas contra as forças governamentais e grupos armados islâmicos surgiram em primeiro plano. As Unidades de Proteção do Povo Curdo (YPG) também se moveram para expulsar o regime da rica província petrolífera de Hasakah, após semanas de luta. A violência aumentou ainda mais em 2013, com o ano figurando entre os mais sangrentos do conflito; de acordo com o Observatório Sírio de Direitos Humanos, mais de 73.000 pessoas foram mortas.

Reabilitação de Assad - Charge [AlArabi21News]

Reabilitação de Assad – Charge [AlArabi21News]

Em 2014, a guerra civil síria testemunhou um de seus momentos mais marcantes com o anúncio do estabelecimento do chamado Estado Islâmico do Iraque e da Síria, conhecido por sua sigla árabe Daesh. Em seu auge, o grupo controlou um terço do Iraque e da Síria; atacou o regime de Assad, bem como as forças revolucionárias, cometeu execuções extrajudiciais e limpezas étnicas, e escravizou minorias religiosas. A declaração provocou um maior envolvimento global no conflito, com os EUA liderando uma coalizão internacional para erradicar Daesh na Síria e no Iraque.

Em 2015, a guerra sofreu outra reviravolta com a ajuda da Assad, que contou com a ajuda da Rússia para afastar os militantes daesh e as forças revolucionárias. Os ataques aéreos russos têm sido citados como uma das principais razões para a maré virar a favor do governo. Em 2016, Aleppo foi recapturado pelo regime depois de anos de um cerco devastador e meses de bombardeio russo.

Os ataques químicos também têm sido uma marca registrada das operações do governo sírio contra os civis. Em abril de 2017, lançou um de seus ataques mais mortais à cidade de Khan Sheikhoun, matando pelo menos 80 pessoas e ferindo cerca de 600. O incidente provocou ataques aéreos ordenados pelo recém-eleito presidente americano Donald Trump contra os depósitos de armazenamento de produtos químicos do regime; Washington também impôs sanções ao Centro de Estudos Científicos e Pesquisa da Síria por seu papel na produção de armas químicas.

Mais tarde naquele ano, a Rússia, o Irã e a Turquia iniciaram o processo Astana com o objetivo de reduzir a violência e criar uma estrutura para trabalhar em direção a uma solução política. Em maio de 2017, os três países e representantes do regime e da oposição concordaram em criar “zonas de desescalada” em quatro fortalezas rebeldes chave na Síria. Embora o cessar-fogo tenha ocorrido inicialmente, no final do ano o governo havia conduzido várias campanhas militares contra os territórios da oposição e em 2018 sitiou e reconquistou Homs, Ghouta e Daraa, deixando Idlib como o último bastião revolucionário.

LEIA: Estados Unidos pretendem renovar esforços para solução política na Síria

Enquanto isso, as frustrações turcas sobre o apoio americano aos grupos curdos aliados na Síria, disse a Turquia, com grupos terroristas proscritos, vieram à tona após um referendo no Curdistão iraquiano, com grupos curdos na Síria exigindo uma autonomia semelhante. Em 2018, Ancara empreendeu uma ofensiva terrestre contra o YPG como parte da “Operação Ramo Oliva”, protegendo Afrin e áreas do norte a oeste do rio Eufrates. A Turquia expressou o desejo de ir mais a oeste para Manbij, um movimento que foi rejeitado por grupos curdos e seus apoiadores ocidentais.

Em janeiro de 2019, os Estados Unidos reduziram a presença do grupo para apenas uma pequena cidade de Baghouz. Com a operação prestes a terminar iminentemente, o destino dos milhares de combatentes e suas famílias tem se mostrado cada vez mais controverso para países do mundo inteiro cujos cidadãos foram para a Síria em apoio ao grupo extremista.

Crianças feridas são levadas ao hospital após o ataque do regime de Assad a Idlib, Síria, em 16 de fevereiro de 2019 [Enes Diyab/Anadolu Agency]

Crianças feridas são levadas ao hospital após o ataque do regime de Assad a Idlib, Síria, em 16 de fevereiro de 2019 [Enes Diyab/Anadolu Agency]

Com o governo sírio mais uma vez no controle de cerca de 60% do país, o Presidente Assad se mudou em setembro de 2018 para lançar uma ofensiva sobre o último reduto de oposição do Idlib. Seus planos foram interrompidos, porém, depois que a Rússia e a Turquia se mudaram para assinar um acordo de desmilitarização em Sochi, com patrulhas conjuntas na fronteira. Entretanto, os ataques aéreos na zona rural de Hama e no Idlib rural continuaram; cerca de 100 pessoas foram mortas em campanhas de bombardeio desde que o acordo foi assinado.

Apesar deste contratempo, com a violência que se abateu sobre o regime de Assad, este tem se apresentado como o vencedor do conflito, encontrando-se com líderes regionais e expressando o desejo do presidente de que a Síria seja readmitida na Liga Árabe. Assad também pediu que os refugiados voltassem para casa, apesar dos contínuos relatos de represálias contra os apoiadores da revolução, com centenas enfrentando prisões arbitrárias, alistamento forçado e retomada de suas propriedades.

Entretanto, os sírios dentro e fora de seu país enfatizam que não aceitarão uma paz terrível e, em vez disso, apelaram para que a comunidade internacional responsabilize Bashar Al-Assad. Com cerca de 14.000 sírios mortos em prisões e outros 82.000 “desaparecidos”, bem como seis milhões de refugiados fora do país, há uma massa de evidências provando que o governo em Damasco cometeu crimes de guerra com, ao que parece, impunidade. No entanto, enquanto as pessoas ao redor do mundo comemoram o décimo aniversário da revolução, o sonho de justiça e liberdade continua vivo.

LEIA: Lembrando o Massacre de Hama em 1982

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Neste diaOpiniãoOriente MédioSíriaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments