Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Bennett está seguindo a agenda militar israelense e dos EUA

O primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, em Tel Aviv, em 29 de junho de 2021 [Amir Cohen/POOL/ AFP via Getty Images]

De acordo com o canal de TV israelense Channel 12, no meio do mês passado o primeiro-ministro Naftali Bennett recusou um pedido do ministro da Defesa, Benny Gantz, de se encontrar com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas. Gantz ficou desapontado com a decisão de Bennett e insistiu que não era importante apenas para ele se encontrar com Abbas, mas também que ele é o oficial israelense mais graduado e apropriado para fazê-lo, visto que a base eleitoral de Bennett está na extrema direita.

Bennett se opõe à renovação do processo de paz com os palestinos e não deu motivos para recusar o pedido de Gantz. No entanto, políticos de esquerda e de centro em sua coalizão de governo acreditam que a retomada das relações oficiais com a liderança da AP e o apoio à autoridade são os melhores interesses de Israel.

Apenas duas semanas depois, o escritório de Gantz revelou que ele havia mantido duas reuniões separadas com Abbas: a primeira incluía altos funcionários de segurança e assuntos civis, e a segunda era apenas com os dois homens por conta própria. Além disso, Gantz foi para a fortaleza de Abbas, a cidade ocupada de Ramallah na Cisjordânia. Eles discutiram questões de segurança, diplomáticas, econômicas e da sociedade civil.

“Israel está pronto para uma série de medidas que fortaleceriam a economia da AP”, disse Gantz a Abbas. Ele prometeu um empréstimo de US$ 155 milhões para a Autoridade Palestina, a ser pago com as receitas fiscais mensais coletadas por Israel em nome da autoridade.

Agora parece que Bennett não ficou feliz com a reunião de Abbas, mas não pôde evitá-la. Parece que ele foi obrigado a deixar para lá. O premiado jornalista israelense Meron Rapoport acredita que isso aconteceu porque o lobby militar está impondo sua agenda ao governo.

“Há um conflito entre os políticos e o exército em Israel”, ele me disse, “e o lobby militar ganhou a rodada em relação ao apoio à Autoridade Palestina. Bennett acabou de se render a esse lobby. Ele permitiu o encontro de Gantz com Abbas e concordou em permitir a transferência de dinheiro para Gaza.”

LEIA: Premiê de Israel pune Gantz por reunir-se com Autoridade Palestina

Como ministro da educação em 2018 sob o ex-primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, Bennett se opôs à transferência de fundos do Catar para ajudar os palestinos em Gaza. Ele comparou o dinheiro ao “dinheiro de proteção” pago aos criminosos. Dirigindo-se a Netanyahu, ele acrescentou: “Você pode comprar silêncio de curto prazo, mas acostuma o outro lado a aplicar a violência como uma forma de defender seus interesses”.

Agora, ele está permitindo apoio para a AP e dinheiro do Catar para Gaza. Ele impediu Gantz de realizar uma reunião com Abbas e, então, aprovou a reunião. Isso sugere fortemente que ele está seguindo a agenda de outros, notadamente dos militares israelenses e de Washington.

Rapoport me disse que o lobby militar em Israel acredita que “dinheiro traz calma”. Além do mais, o encontro de Gantz com Abbas ocorreu imediatamente após o retorno de Bennett de Washington, onde conheceu Joe Biden. O presidente dos Estados Unidos pediu-lhe que tomasse medidas para melhorar a vida dos palestinos.

De acordo com o jornalista israelense Oren Ziv, repórter e fotógrafo da Local Call e da +972 Magazine, Biden concordou em discutir as questões palestinas em uma reunião fechada para não envergonhar Bennett. Biden aparentemente ordenou que Bennett, que apoiava a expulsão de palestinos de Jerusalém, tomasse medidas práticas para impedir essas expulsões no bairro Sheikh Jarrah da cidade. O líder dos EUA destacou “a importância de se abster de ações que possam exacerbar as tensões, contribuir para um sentimento de injustiça e minar os esforços para construir confiança”.

Após a reunião com Biden, Bennett prometeu fortalecer a AP e sustentá-la durante sua crise financeira. Ele também desistiu de seus planos de anexação.

LEIA: Israel pede aos EUA que não retirem as forças do Iraque e da Síria

O jornalista de direita Baruch Yedid relatou que fontes israelenses disseram que Biden também ordenou a reabertura do consulado dos EUA na ocupada Jerusalém Oriental. As fontes, Yedid me disse, disseram que Bennett “implorou” a Biden para não tornar públicas essas ordens e adiar a reabertura do consulado até depois da aprovação do projeto de lei do orçamento para que o Knesset aprove o projeto, que irá “preservar” o governo de coalizão.

Bennett é “fraco”, disse Rapoport. Ele concordou comigo que o primeiro-ministro não está cumprindo sua própria agenda e simplesmente aceitou as ordens de Biden, incluindo a questão do consulado. Se for esse o caso – e eu acho que é -, temos o direito de perguntar o que Bennett está fazendo como primeiro-ministro? Ele aparentemente aceitou que não passará de um fantoche agindo em nome dos outros. Ele não apenas desistiu de seus próprios pontos de vista, mas também está adotando políticas contra eles.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments