Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Egito e Etiópia em guerra, virtualmente, pela Barragem Renascença

Manifestantes marcham pela 42nd Street, em Nova Iorque, durante um protesto “It's my Dam”, em 11 de março de 2021 [Timothy A. Clary/AFP via Getty Images]

Hashtags árabes opostas “Barragem Renascença” e “Encha a Barragem” estão em alta no Egito e na Etiópia após a notícia de que Addis Abeba iniciou a segunda fase de enchimento da barragem, um reflexo de como a questão se tornou polarizada entre os dois países da bacia do Nilo.

Os estados a jusante, Egito e Sudão, estão em uma disputa com a Etiópia há quase dez anos, sustentando que encher a barragem diminuirá seu suprimento de água.

O Egito é fortemente dependente da água do Nilo, que usa para água potável, agricultura e eletricidade, e queria chegar a um acordo vinculativo sobre sua parcela de água antes de o reservatório da barragem ser enchido.

Alguns até afirmam que é uma questão de vida ou morte.

Em março, após mais uma rodada de negociações fracassadas, desta vez na República Democrática do Congo, Abdel Fattah Al-Sisi advertiu que o Egito não permitiria que uma “única gota” de sua água fosse retirada e que “nossa resposta em caso de comprometê-lo terá efeitos sobre a estabilidade de toda a região”.

Os usuários do Twitter agora o estão instigando, refletindo as manchetes polarizadas da mídia sobre o assunto e perguntando onde está o exército egípcio.

Em maio, as autoridades egípcias prenderam um ex-embaixador, porque ele criticou a forma como o governo lidou com a crise da Barragem Renascentista.

A insatisfação nas ruas com a forma como Al-Sisi lidou com as negociações levou o denunciante egípcio Mohamed Ali a convidar as pessoas a tomarem as ruas em 10 de julho por uma “Revolução do Nilo” contra o fracasso das autoridades em enfrentar a Etiópia.

Agora, os egípcios estão pedindo às autoridades que tomem medidas mais sérias e recebam apoio internacional sobre o assunto.

Enquanto isso, na Etiópia, os usuários das redes sociais estão celebrando a segunda etapa do enchimento da barragem: “Glória à Etiópia”, escreve um, acima das fotos do segundo enchimento. “Você está pronto para comemorar?” escreve outro.

Os Tratados da Água do Nilo, acordos da era colonial entre os britânicos, o Sudão e o Egito, afirmam que os países a montante não podem usar a água do Nilo sem o consentimento dos países a jusante. Em última análise, o Egito pode vetar projetos mais acima do Nilo que têm o potencial de afetar seu acesso à água e eletricidade.

Três décadas depois, o tratado foi atualizado para alocar ao Egito 55,5 bilhões de metros cúbicos de água e ao Sudão 18,5 bilhões, com os estados a montante não recebendo nada.

Durante anos, os estados do Nilo pediram uma mudança no domínio do Egito sobre o rio. A Etiópia acabou construindo a barragem em 2011, aproveitando a turbulência causada pela revolução no Egito.

A embaixada da Etiópia postou que a barragem seria vantajosa para todos os países da bacia do Nilo, não apenas a Etiópia, refletindo o que os pesquisadores disseram, que o desenvolvimento da barragem poderia ter um efeito cascata e impulsionar a indústria e criar mais empregos para os outros países do Nilo.

Apesar disso, os três países estão em negociações há uma década, com pouco a mostrar a respeito.

LEIA: ‘Águas desconhecidas aguardam pelo Egito devido à Represa da Renascença’

Categorias
ÁfricaEgitoEtiópiaNotíciaSudãoTendências do Twitter
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments