Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Egito prende diplomata que criticou o manejo da barragem da Etiópia

Uma visão geral do rio Nilo Azul ao passar pela Grande Represa do Renascimento da Etiópia (GERD), perto de Guba na Etiópia, em 26 de dezembro de 2019 [EDUARDO SOTERAS/AFP via Getty Images]

Ontem (7) foi revelado que as autoridades egípcias prenderam um ex-embaixador no mês passado, supostamente em conexão com suas críticas à forma como o governo lidou com a crise da Grande Represa do Renascimento da Etiópia.

De acordo com a família de Yahya Najm, que serviu como embaixador do Cairo na Venezuela, ele foi preso após uma incursão das forças de segurança em sua casa e posteriormente “desapareceu” por três dias.

O New Arab relatou, citando fontes próximas a Najm, que a promotoria de segurança do Estado o acusou de “juntar-se a um grupo terrorista, espalhando falsas notícias e usando indevidamente as mídias sociais” e que ele foi condenado a 15 dias de prisão, aguardando investigação.

Sua família também alega que, após a investigação, ele foi transferido para um local desconhecido “em flagrante violação da lei egípcia”.

Apesar de ter “servido seu país como diplomata durante anos”, a família de Najm acredita que seu encarceramento foi “o preço que ele pagou por sua liberdade para defender a alma de sua pátria”.

LEIA: Os Emirados Árabes estão financiando projeto de barragem da Etiópia, diz parlamentar egípcio

Em 2012, foi noticiado que Najm estava entre os opositores políticos do falecido presidente Mohamed Morsi que foram detidos e espancados por dezenas de apoiadores islâmicos.

Diz-se que Najm declarou no mês passado que as autoridades egípcias estão em “estado de delírio, delírio interno e esquizofrenia, e nos fazem um objeto de ridículo para o mundo”.

“Este absurdo proferido pelos oficiais do regime confirma que não há instituições ou uma mente coletiva que dirija o estado e que quem administra os assuntos é um partido, ou uma pessoa, enganando e drogando… o povo egípcio até a conclusão da construção da represa”, acrescentou o ex-diplomata.

O primeiro-ministro etíope Abiy Ahmed disse na semana passada que seu país pretende construir mais de cem barragens como um meio de resistir às forças contrárias à Etiópia. No entanto, isso se tornou uma questão de segurança para o Egito, que depende quase inteiramente da água do Nilo. Há também planos para que a Etiópia construa bases militares no Mar Vermelho.

O Egito e o Sudão concluíram um exercício militar conjunto no início daquela semana em meio ao aumento das tensões com a Etiópia.

LEIA: Dezenas de soldados etíopes das forças de paz da ONU buscam asilo no Sudão

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasEgitoEtiópiaNotíciaSudãoVenezuela
Show Comments
Show Comments