Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Etiópia inicia segunda fase de enchimento da barragem

Rio Nilo Azul na área da Grande Barragem da Renascença Etíope (GERD), perto de Guba, na Etiópia, em 26 de dezembro de 2019 [Eduardo Soteras/ AFP via Getty Images]
Rio Nilo Azul na área da Grande Barragem da Renascença Etíope (GERD), perto de Guba, na Etiópia, em 26 de dezembro de 2019 [Eduardo Soteras/ AFP via Getty Images]

O Ministério de Irrigação egípcio disse que a Etiópia notificou oficialmente que começou a encher o reservatório atrás de sua gigantesca barragem hidrelétrica, a Grande Barragem da Renascença Etíope (GERD), pelo segundo ano.

Em resposta à notificação, o ministro Mohamed Abdel-Aty enviou uma carta oficial ao seu homólogo etíope, Seleshi Bekele, informando-o da rejeição categórica do Egito da medida unilateral de Adis Abeba, que constitui uma “violação clara e perigosa do acordo de Declaração de Princípios assinado entre Egito, Etiópia e Sudão em 2015, bem como uma violação das leis e normas internacionais que regem os projetos construídos nas bacias comuns de rios internacionais, incluindo o Rio Nilo.”

Cairo informou o Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre sua rejeição categórica à medida de Addis Abeba e advertiu que “a medida unilateral poderia levar à criação de uma situação que ameaça a segurança e a paz nos níveis regional e internacional”.

“Este sério desenvolvimento revela mais uma vez a má intenção da Etiópia e sua insistência em tomar medidas unilaterais para forçar um fato consumado [pelo] enchimento e operação da Barragem da Renascença sem um acordo que leve em consideração os interesses dos três países e limite os danos desta barragem nos dois países a jusante “, acrescentou.

O Conselho de Segurança da ONU realizará uma sessão especial, a pedido do Egito e do Sudão, para discutir o DRGE da Etiópia na quinta-feira.

No início do domingo, a Etiópia anunciou o aumento do nível de alerta de suas forças implantadas na área da barragem, com o objetivo de garantir a segunda fase do processo de enchimento.

A Etiópia está construindo uma barragem de US $ 5 bilhões perto da fronteira com o Sudão, que, afirma, fornecerá ao país a tão necessária eletricidade e regeneração econômica. O Egito acredita que vai restringir seu acesso às águas do Nilo.

LEIA: Crise da Barragem da Renascença está “além do escopo” do Conselho de Segurança da ONU

O Egito depende quase inteiramente da água do Nilo, recebendo cerca de 55,5 milhões de metros cúbicos por ano do rio, e acredita que o enchimento da barragem afetará a quantidade que necessita para beber, agricultura e eletricidade.

Cairo quer que a Etiópia garanta que o Egito receberá 40 bilhões de metros cúbicos ou mais de água do Nilo. O ministro da Irrigação da Etiópia, Seleshi Bekele, disse que o Egito abandonou essa demanda, mas insiste que não e emitiu uma declaração nesse sentido.

Também há uma questão não resolvida sobre a rapidez com que a barragem será preenchida, com o Egito temendo que se ela for enchida muito rapidamente, isso poderia afetar a eletricidade gerada pela barragem de Aswan High.

A disputa sem fim entre Etiópia, Egito e Sudão sobre a Represa do Renascimento [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Categorias
ÁfricaEgitoEtiópiaNotíciaSudão
Show Comments
Show Comments