Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Autoridade Palestina de Abbas demite oficial sênior por criticar a morte extrajudicial de Banat

Presidente palestino Mahmoud Abbas em Ramallah, Cisjordânia, em 12 de maio de 2021 [Issam Rimawi/Agência Anadolu]

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, teria demitido o chefe da Biblioteca Nacional Palestina, Ihab Bseiso, por criticar a morte extrajudicial do oponente político, Nizar Banat, pelos serviços de segurança.

Os meios de comunicação locais disseram que a Autoridade Palestina advertiu todas as autoridades para não condenar ou comentar o assassinato de Banat ou a repressão violenta dos protestos pacíficos que se seguiram.

Al-Araby Al-Jadeed citou fontes, que falaram sob a condição de anonimato, confirmando que Abbas demitiu ontem Bseiso de seu posto depois que ele criticou a morte de Banat nas mídias sociais.

Em 24 de junho, Bseiso foi ao Facebook para descrever a voz de Banat como sendo tão forte e clara como um “raio laser”, acrescentando que “nada justifica sua morte”.

“Matar um ser humano é um crime, não importa quão difuso, ambíguo e emocional o quadro pareça e devemos sempre estar do lado do humano contra várias formas de aço letal”, disse Bseiso, acrescentando que “a diferença de opinião não é uma epidemia, uma emergência, ou uma justificativa para derramamento de sangue, incitação e correria para o labirinto do caos e da tensão política”.

LEIA: O assassinato de Nizar Banat significa que só há uma solução para os palestinos

Mais tarde, em 28 de junho, Bseiso publicou um vídeo e uma série de fotos dos protestos que se seguiram à morte de Banat.

Bseiso não fez nenhum comentário sobre os relatos em torno de sua demissão.

Ontem, a Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, instou a liderança palestina a garantir a segurança e a proteção dos manifestantes.

Bachelet disse em uma declaração que as forças de segurança palestinas usaram a força no fim de semana passado contra manifestantes pacíficos, inclusive espancando-os com bastões e disparando gás lacrimogêneo e granadas atordoantes contra eles.

Banat, 43 anos, era um ativista social que havia acusado a Autoridade Palestina de corrupção, inclusive durante uma breve troca de vacinas COVID-19 com Israel este mês e o postergamento de uma eleição adiada por muito tempo em maio. Ele havia se inscrito como candidato parlamentar para esse processo.

LEIA: Enquanto os palestinos exigem respostas, a AP não tem mais nada além de tirania

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments