Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O assassinato de Nizar Banat significa que só há uma solução para os palestinos

Manifestantes participam de uma manifestação pedindo a renúncia do presidente palestino Mahmud Abbas em Ramallah, na Cisjordânia ocupada, em 24 de junho de 2021, após a morte do ativista palestino de direitos humanos Nizar Banat [Abbas Momani/AFP via Getty Images]

O assassinato do ativista político Nizar Banat durante sua prisão pelos serviços de segurança da Autoridade Palestina é um marco na Palestina ocupada. Não é menos importante e perigoso do que a mudança representada pelo recente levante de Jerusalém, que cobriu Jerusalém, Cisjordânia, Gaza e o território ocupado desde 1948.

A Cisjordânia ocupada não testemunhou eventos como este antes, e a AP nunca pareceu tão estrategicamente e moralmente despojada como está agora, porque seu fracasso em termos de gestão de assuntos internos e direitos humanos também foi exposto ao lado de sua abordagem falha ao nível nacional assuntos e resistência contra a ocupação. As únicas pessoas que não conseguem ver isso são as que se beneficiam do status quo.

O que tornou o assassinato de Banat diferente de todos os crimes anteriores da AP, tanto em nível nacional quanto interno, é que todas as suas falhas foram condensadas em uma operação. A primeira foi o silenciamento da voz antiocupação, pois a diferença entre esta e a AP não se baseia no interesse pessoal, nem mesmo na gestão dos assuntos domésticos, mas é essencialmente uma disputa pela atuação da AP e da forma como ela lida com Israel e sua ocupação. Sua morte seguiu-se às críticas de Banat ao vergonhoso acordo da vacina, segundo o qual a AP entregaria novas vacinas aos israelenses em troca de vacinas que expiram em breve. Isso mostrou claramente que a AP favorece os israelenses em relação ao seu próprio povo.

Outro paradoxo nacional para o povo palestino é que as mesmas forças de segurança da AP que ficam em segundo plano quando seus colegas israelenses estão em cena – pelo menos durante os recentes eventos em Jerusalém – e nunca, jamais, confrontam soldados ou colonos armados quando atacam os palestinos e suas terras são as mesmas “forças de segurança” que espancaram Nizar Banat até a morte depois de entrar em sua casa como ladrões durante a noite e arrastá-lo de sua cama. Esse paradoxo confirmou a todos os palestinos que as forças de segurança da AP existem apenas para proteger o estado de ocupação e oprimir o povo da Palestina sob ocupação.

LEIA: Nizar Banat: o fim de um homem corajoso

O assassinato de Banat também revelou a indiferença da AP aos direitos humanos e sua intolerância às críticas. Ele se comportou como qualquer outro regime árabe repressivo que mata seus oponentes por causa de suas opiniões. Embora a repressão e as violações dos direitos humanos devam ser sempre condenadas, são ainda mais chocantes e criminosas quando vêm de uma organização autônoma contra seu próprio povo que luta sob uma ocupação militar. O povo enfrenta um duplo ciclo de repressão, nas mãos da ocupação israelense – que é inerentemente repressiva – e da AP, que supostamente representa seus interesses. Os palestinos podem resistir à ocupação, mas estão desamparados diante das repressivas forças de segurança da AP, porque sabem que a ocupação é o principal problema. Consequentemente, a AP não só contribui para a repressão do povo, mas também distorce a bússola nacional.

Após o assassinato de Banat, a AP se comportou como um típico regime árabe. A teoria proposta pelo falecido Yasser Arafat e aplicada em grande medida foi abandonada; a chamada democracia da floresta de armas, que pouco tinha a ver com democracia, mas era uma palavra de ordem que permitia críticas e conflitos internos sem recorrer a armas, no quadro do movimento nacional palestino. Arafat suportou todas as críticas, acusações e até divisões, embora tivesse legitimidade nacional para representar todos os grupos do povo palestino na época. A AP hoje não apenas coordena sua repressão de segurança com Israel, mas também carece de qualquer legitimidade nacional ou eleitoral, e é incapaz de aceitar críticas. Portanto, ele simplesmente mata seus oponentes políticos.

A AP recorreu aos seus instintos básicos, que são uma vergonha para um movimento de libertação nacional. Ela negou quando alegou inicialmente que a morte de Banat era natural devido a uma condição pré-existente. Em seguida, emitiu declarações desprezíveis sobre a investigação após o tumulto no assassinato. Em seguida, enviou bandidos de segurança à paisana para atacarem os manifestantes e emitiu declarações tribais em apoio ao presidente, especialmente de Hebron, de onde Nizar Banat era natural. Tudo isso expôs a AP como nunca antes, como nada além de uma autoridade primitiva que se identifica com outros regimes árabes repressivos, com uma liderança que supostamente representa um “movimento de libertação nacional”.

LEIA: Os palestinos devem garantir que Nizar Banat não morreu em vão

Em circunstâncias normais, não existe uma solução “única” para qualquer crise política, pois a política é o resultado da interação de vários fatores complexos e cálculos de lucros e perdas. No entanto, o assassinato de Nizar Banat e os eventos que o precederam e se seguiram tornaram as coisas claras para todos os palestinos. O impasse nacional só tem uma solução: deslegitimar e fechar essa autoridade.

As facções palestinas, especialmente o Hamas, devem assumir sua responsabilidade por essa deslegitimação; eles deveriam recusar qualquer diálogo com a Fatah sob a égide de Oslo. O diálogo deve ser estabelecido em uma base nacional para concordar sobre a forma de resistir à ocupação, não sobre como aliviar Israel de sua responsabilidade e conceder-lhe uma ocupação que não acarrete nenhum custo político, econômico e de segurança.

Desde 2006, o diálogo palestino foi baseado em fundamentos errados e, portanto, não foi capaz de romper com Oslo. Se o Hamas e as outras facções estão tentando acabar com a divisão dessa forma, eles estão cometendo um grande erro. A Fatah, por sua vez, deve escolher entre fazer parte do povo e sua resistência, ou ficar com o ocupante em uma autoridade que falhou nacionalmente, legalmente e na gestão de assuntos internos.

Essa escolha ficou clara em 2006, e muitos escritores e elites palestinos exigiram que ela fosse feita. Agora, porém, ficou mais claro depois da Intifada de Jerusalém e da vitória da resistência, bem como do assassinato de Nizar Banat.

Por que a Autoridade Palestina matou Nizar Banat? [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Por que a Autoridade Palestina matou Nizar Banat? [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Este artigo foi publicado pela primeira vez em árabe no Arabi21 em 28 de junho de 2021.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments