Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

‘Suspende ou renuncia a sanções ao Irã’, diz ONU a Biden

O presidente dos EUA, Joe Biden, na Carolina do Sul, EUA, em 29 de agosto de 2019 [Sean Rayford/Getty Images]
O presidente dos EUA, Joe Biden, na Carolina do Sul, EUA, em 29 de agosto de 2019 [Sean Rayford/Getty Images]

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, apelou ao governo do presidente dos EUA, Joe Biden, para suspender ou renunciar a todas as sanções contra o Irã, conforme acordado no âmbito da nuclear de 2015 com Teerã. O Plano de Ação Conjunto Abrangente (JCPOA, na sigla em inglês) foi um acordo histórico alcançado pelo ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama juntamente com a França, Grã-Bretanha, Alemanha, Rússia e China. O sucessor de Obama, Donald Trump, retirou-se unilateralmente do acordo em 2018 como parte de sua política de “pressão máxima” sobre o Irã.

Em um relatório ao Conselho de Segurança da ONU, Guterres também instou os Estados Unidos a “estender as isenções com relação ao comércio de petróleo com a República Islâmica do Irã e renovar totalmente as isenções para projetos de não proliferação nuclear”.

Sob o JCPOA, o cumprimento do Irã seria recompensado com o alívio de décadas de sanções impostas pelos EUA e Europa. Washington usou a isenção de sanções como uma abordagem de incentivo e castigo para controlar o comportamento de Teerã.

LEIA: Para a AIEA, ‘É fundamental continuar monitorando as atividades nucleares no Irã’

O apelo do secretário-geral vem no momento em que o Conselho de Segurança de 15 membros se reúne hoje para discutir seu relatório semestral sobre a implementação de uma resolução de 2015. Guterres também apelou ao Irã para retornar à implementação total do acordo.

Após a retirada unilateral da América e a reimposição de sanções, o Irã refinou o urânio até uma pureza de cerca de 60 por cento, que está muito acima do limite de 3,6 por cento estabelecido pelo JCPOA e muito mais próximo dos 90 por cento adequados para uma arma nuclear. A República Islâmica afirma que seu programa nuclear é apenas para fins pacíficos e que poderia reverter rapidamente seu progresso se Washington remover as sanções e retornar ao acordo de 2015.

“Continuo a acreditar que uma restauração total do Plano continua sendo a melhor maneira de garantir que o programa nuclear da República Islâmica do Irã permaneça exclusivamente pacífico”, acrescentou Guterres.

O Irã disse no sábado que acredita que um restabelecimento do acordo nuclear com as grandes potências mundiais é possível, mas advertiu que “não vai negociar para sempre”. O governo Biden fez questão de voltar ao acordo, mas insistiu que Teerã precisa reverter o enriquecimento para os níveis acordados quando o acordo foi fechado. Teerã afirma que foram os EUA que quebraram o acordo e, portanto, não tem autoridade moral para impor quaisquer pré-condições ao Irã.

LEIA: Milícias apoiadas pelo Irã ameaçam vingança após ataques dos EUA

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosIrãNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments