Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Milícias apoiadas pelo Irã ameaçam vingança após ataques dos EUA

Uma foto tirada em 13 de janeiro de 2020 durante uma turnê de imprensa organizada pela coalizão liderada pelos EUA [Ayman Henna/AFP via Getty Images]

Milícias apoiadas pelo Irã sob a égide das Forças de Mobilização Popular (PMF, na sigla em inglês) ameaçaram vingar os ataques aéreos dos EUA ontem em suas instalações. Cinco militantes foram mortos nos ataques.

A PMF disse que os ataques resultaram no “martírio” de um grupo de combatentes “heroicos”. “Continuaremos sendo o escudo que defende nossa amada nação, e estamos totalmente prontos […] para responder e nos vingar.”

Os ataques tiveram como alvo duas instalações na Síria e uma no Iraque, que estavam sendo usadas pelas milícias, incluindo Kataib Hezbollah e Kataib Sayyid Al-Shuhada.

De acordo com uma declaração do Departamento de Defesa dos EUA, “os alvos foram selecionados porque essas instalações são utilizadas por milícias apoiadas pelo Irã que estão engajadas em ataques de veículos aéreos não tripulados (UAV) contra funcionários e instalações dos EUA no Iraque”. Os ataques, acrescentou, “provam” o compromisso do presidente Joe Biden em proteger o pessoal dos EUA.

LEIA: ‘Estávamos à beira de uma guerra civil por causa de duas forças na região’, diz primeiro-ministro iraquiano

Os ataques de Washington aos alvos da PMF ocorreram após meses de tensão com Bagdá devido aos ataques da milícia a bases militares dos EUA e à embaixada dos EUA na Zona Verde da capital. O governo iraquiano está sob forte pressão para forçar as milícias a encerrar seus ataques e mantê-los sob controle. Até agora, não conseguiu fazer isso, como foi visto no ataque das milícias a Bagdá e à Zona Verde no início deste mês, depois que um líder do PMF foi preso.

Embora oficialmente parte das forças armadas iraquianas, a PMF opera em grande parte de forma independente e com controle e apoio significativos do Irã e de seu Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC).

De acordo com relatórios recentes, Teerã também tem treinado algumas dessas milícias em formas de guerra avançada, como operação de UAVs e vigilância.

LEIA: Irã possui drones com alcance de 7.000 km, alega comandante

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosIrãIraqueNotíciaOriente MédioSíria
Show Comments
Show Comments