Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

ONGs se opõem ao plano da Rússia de fechar a última passagem de ajuda para o noroeste da Síria

Caminhões de ajuda humanitária internacional cruzam para a província de Idlib, no noroeste da Síria, através da fronteira de Bab al-Hawa com a Turquia, em 7 de setembro de 2020 [Aaref Watad/AFP via Getty Images]

Numerosas organizações não governamentais que realizam missões de ajuda no noroeste da Síria emitiram um comunicado de imprensa conjunto se opondo ao planejado fechamento da última passagem para ajuda humanitária para entrar na área, alertando que isso ameaçará a vida de mais de quatro milhões de sírios.

As 81 ONGs – que consistem em organizações locais e internacionais – condenaram o plano da Rússia de usar seu veto na reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas no próximo mês, que fecharia a passagem de Bab Al-Hawa na fronteira entre a Turquia e a Síria.

Desde que se tornou a única passagem de ajuda humanitária para chegar ao noroeste da Síria após o fechamento das outras passagens no ano passado, a prestação de ajuda foi severamente restringida e muitos temem uma nova crise humanitária se Bab Al-Hawa também for fechado.

O chefe da Sociedade de Ajuda Humana, Khalid Al-Fajir, que liderou o comunicado de imprensa conjunto e o anunciou em um campo de deslocados no noroeste da Síria, afirmou: “O fechamento desta porta levará a 4,5 milhões de civis, principalmente crianças e mulheres, sendo privado de ajuda recebida”.

“Alguns países estão envidando esforços contra essa decisão”, acrescentou.

LEIA: Discurso anti-imigração está desumanizando os refugiados sírios, diz relatório

Al-Fajir e a declaração conjunta enfatizaram: “Qualquer decisão contra a ajuda humanitária levará a um desastre na região”, e exortaram os Estados membros do Conselho de Segurança “a cumprirem seus compromissos sobre a neutralidade da ajuda humanitária e a renovar a resolução do Conselho de Segurança”.

“Também queremos salientar que é inaceitável que tenhamos de enfatizar a importância do mecanismo de assistência transfronteiriça todos os anos”, diz o comunicado. “A autoridade da ONU para o acesso humanitário transfronteiriço deve ser protegida.”

A próxima reunião do Conselho de Segurança e a decisão que se seguirá ocorrerão pouco mais de um mês após o regime sírio de Bashar Al-Assad, que a Rússia apoia, ter sido eleito para o conselho executivo da Organização Mundial da Saúde (OMS), gerando mais temores de que usaria essa posição para cortar a ajuda à província de Idlib, a noroeste, mantida pela oposição.

Categorias
Europa & RússiaNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioRússiaSíriaTurquia
Show Comments
Show Comments