Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Regime da Síria é eleito para o conselho executivo da OMS, provocando indignação

Uma foto tirada em 8 de maio de 2021 mostra uma placa da Organização Mundial da Saúde (OMS) [Fabrice Coffrini/AFP via Getty Images]
Uma foto tirada em 8 de maio de 2021 mostra uma placa da Organização Mundial da Saúde (OMS) [Fabrice Coffrini/AFP via Getty Images]

O regime sírio de Bashar Al-Assad foi eleito para o conselho executivo da Organização Mundial da Saúde (OMS) na semana passada, provocando indignação entre trabalhadores médicos e ativistas que temem que ele usará a cadeira para cortar a ajuda a milhões de sírios.

O conselho executivo da Organização das Nações Unidas, composto de 34 membros com mandatos de três anos, tem a responsabilidade de definir a agenda da Assembleia da Saúde e implementar as políticas e decisões acordadas.

Muitos veem a nomeação da Síria para o conselho como irônica, considerando que o regime de Assad e seu aliado, a Rússia, bombardearam vários hospitais e instalações médicas durante o conflito de dez anos, cometendo crimes de guerra contra instalações protegidas pelo direito internacional.

De acordo com um relatório da ONG Physicians For Human Rights, 598 ataques a instalações e pessoal de saúde sírios foram realizados, 350 instalações de saúde foram alvejadas e 930 profissionais médicos foram mortos durante o conflito.

LEIA: A ONU fracassou com a Síria ou é cúmplice dos crimes do regime?

A nomeação foi condenada por ativistas em todo o mundo e profissionais da área médica no noroeste da Síria, mantidos pela oposição, especialmente em meio a temores de que o regime usaria sua posição para estrangular a salvação da ajuda à província de Idlib, onde milhões de sírios deslocados estão em urgência precisa de ajuda.

O diretor executivo da ONG suíça UN Watch, Hillel Neuer, também criticou a medida, dizendo: “Eleger a Síria para governar o principal órgão de saúde do mundo é como contratar um piromaníaco para ser o chefe dos bombeiros da cidade. O regime de Assad da Síria bombardeia sistematicamente hospitais e clínicas, matando médicos, enfermeiras e outros enquanto cuidam dos doentes e feridos”.

“Profissionais de saúde também foram presos, desaparecidos, torturados e executados”, acrescentou Neuer. “Eleger este regime assassino para governar o órgão de saúde mais importante do mundo é um insulto às milhões de vítimas de Assad e envia uma mensagem terrível.”

Em janeiro, foi revelado que a OMS havia usado uma companhia aérea afiliada ao regime sírio para entregar ajuda à Líbia.

Categorias
ÁfricaLíbiaNotíciaOMSOrganizações InternacionaisOriente MédioSíria
Show Comments
Show Comments