Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Starmer foi alertado de que corre o risco de quebrar o partido se não mostrar compromisso com a Palestina

O líder do Partido Trabalhista britânico, Keir Starmer, é visto na sede da BBC em Londres, Reino Unido, em 10 de janeiro de 2021 [Tayfun Salci/Agência Anadolu]

Keir Starmer foi advertido de que corre o risco de aprofundar a fratura dentro do Partido Trabalhista e desencadear a deserção em massa se não demonstrar um compromisso com uma mudança política real em relação à Palestina e enfrentar o crescente flagelo da islamofobia.

O alerta foi emitido em uma carta ao líder trabalhista em apuros por representantes de diferentes mesquitas e organizações muçulmanas em Batley e Spen, onde o Trabalhismo está lutando para defender sua cadeira em uma eleição suplementar crucial no eleitorado de West Yorkshire.

Na carta vista pelo MEMO, Starmer foi lembrado dos anos de apoio desfrutado pelo Partido Trabalhista das comunidades muçulmanas locais altamente ativas que batiam às portas e organizavam campanhas eleitorais para preservar o domínio trabalhista. “Agora estamos em sérias dúvidas se podemos continuar com nosso apoio”, disse a carta acusando o Partido Trabalhista de aceitar as vozes e votos dos muçulmanos “como garantidos”.

Além das preocupações domésticas em torno da falta de moradia, recursos escolares sendo cortados, fechamento de médicos e hospitais, islamofobia, o grupo citou questões internacionais como a ocupação da Palestina por Israel, a ocupação da Caxemira pela Índia e o tratamento da China aos muçulmanos uigures em Xinjiang.

LEIA: Starmer, líder trabalhista do Reino Unido, contratou um ex-espião israelense para a equipe de mídia social

Sobre a questão da Palestina, a carta instava Starmer “a ir além da retórica política usual e mostrar um compromisso com uma mudança política real”. Eles acusaram o Partido Trabalhista de apenas elogiar a questão palestina. “Como líder da oposição, você e seus ministros no Gabinete Sombrio devem fazer declarações claras sobre sua posição. Isso inclui o reconhecimento da Palestina como um estado, o apoio a um embargo total de armas contra Israel, além de apoio ao BDS como um forma ética de resistência”, disseram os representantes em referência ao movimento de Boicote, Sanções e Desinvestimento para acabar com os crimes israelenses.

No início deste mês, Starmer pressionou o primeiro-ministro Boris Johnson a defender um Estado palestino durante as próximas negociações do G7 na Cornualha. Falando da caixa de mensagens durante as Perguntas do Primeiro Ministro, o líder trabalhista usou sua pergunta final para destacar a última agressão de Israel em Gaza e na Cisjordânia ocupada, enquanto instava Johnson a apoiar o estabelecimento de um estado palestino soberano.

LEIA: Líder trabalhista do Reino Unido desiste do iftar do Ramadã após lobby pró-Israel

Com a demanda vinda de uma campanha acalorada no Batley and Spen por eleição, Starmer foi acusado de ser falso. Os críticos o acusaram de jogar a questão palestina para baixo do ônibus e agora ele está cinicamente usando a situação dos palestinos para se defender do desafio de George Galloway. O ex-membro do parlamento representa um sério desafio e provavelmente dividirá os votos trabalhistas e abrirá o caminho para uma vitória conservadora.

O texto completo da carta pode ser conferido a seguir.

Caro senhor Keir Starmer MP,

Por mais de 40 anos, as comunidades muçulmanas em todo o Reino Unido apoiaram lealmente o Partido Trabalhista. Em Batley e Spen particularmente, através de diferentes líderes, épocas e climas políticos, nossa comunidade tem estado entre os eleitores trabalhistas mais firmes em qualquer lugar do país.

Estamos escrevendo para vocês hoje como representantes de diferentes mesquitas e organizações muçulmanas em Batley e Spen, porque, depois de décadas de apoio a este partido, batendo em portas, organizando campanhas de participação eleitoral e muito mais, estamos agora em sérias dúvidas sobre se podemos continuar com o nosso apoio.

Infelizmente, parece que, embora tenhamos orgulho de apoiar o Partido Trabalhista, por muito tempo o Partido Trabalhista não se orgulhou de nosso apoio. Simplificando, nossos votos e vozes foram tidos como certos.

Os problemas que os muçulmanos enfrentam em nosso círculo eleitoral são vastos e profundamente enraizados. Alguns são consistentes com aqueles que você pode ver em áreas semelhantes às nossas; falta de moradia, recursos escolares sendo cortados, fechando GPs e hospitais, etc. Outros são específicos para nossa comunidade e nossa área. Isso inclui preocupações com relação à crescente onda de islamofobia, o racismo inerente ao dever de Prevenção, bem como as crises internacionais em curso na Palestina, Caxemira, Xinjiang e além.

Se quisermos continuar apoiando e lutando pelo Partido Trabalhista, nossa expectativa é que o Trabalhismo esteja do nosso lado. Em particular, para falar e fazer campanha sobre as seguintes questões:

[1] Islamofobia

Desde 2016, a crescente onda de islamofobia tem sido uma grande preocupação para todos os muçulmanos no Reino Unido. De um aumento de 500% em ataques violentos e não violentos desde o referendo do Brexit, até o lançamento do relatório da Rede Muçulmana do Trabalho em 2020; a questão da islamofobia aberta e estrutural é da mais alta pertinência para nossas comunidades. Precisamos ver mais do que falar sobre esse assunto. Precisamos de liderança real e um compromisso de tomar as medidas necessárias para resolver a questão da islamofobia dentro do Partido. Precisamos ver uma promessa direta comunicada por você e pelo Gabinete Sombrio sobre este assunto. Também precisamos de compromissos firmes e ações propostas para combater a islamofobia em toda a sociedade.

[2] Palestina

A ocupação, violência e opressão em curso na Palestina é uma questão quase inseparável do coração de milhares em Batley e Spen, incluindo seus constituintes muçulmanos.

O Partido Trabalhista tem que ir além da retórica política usual e mostrar um compromisso com uma mudança política real. Novamente, isso não pode assumir a forma de moções aprovadas e da boca para fora do assunto. Como Líder da Oposição, você e seus ministros no Gabinete Sombrio devem fazer declarações claras sobre sua posição. Isso inclui o reconhecimento da Palestina como um estado, o apoio a um embargo total de armas contra Israel, além do apoio ao BDS como uma forma ética de resistência.

Gostaríamos de ouvir um compromisso inequívoco com essas questões antes das eleições. É uma pena que você não tenha tido tempo para ouvir as opiniões dos eleitores trabalhistas comuns durante sua recente visita a Batley & Spen. Nessas circunstâncias, você pode esclarecer se fará uma declaração pública ou se você prefere um fórum mais pessoal – nesse caso, estamos prontos para conhecê-lo.

É tão doloroso para nós dizer, como esperamos que seja para você ouvir que essa relação de longa data entre a nossa comunidade e o Partido Trabalhista – a que tanto temos dado – se encontra nessa situação difícil.

Nossa busca é com a intenção singular de reparar essa relação. Com todo o respeito, não podemos enfatizar o suficiente, a urgência da liderança trabalhista em levar a sério o que foi dito acima. Você já deve estar ciente das deserções de muitos ativistas trabalhistas anteriormente proeminentes, e até mesmo de ex-vereadores na área de Batley & Spen. Eles citam os motivos acima como a principal causa de insatisfação com o Trabalho.

Você já deve estar ciente de que este não é apenas um problema local confinado à Batley & Spen. A recente pesquisa conduzida pela Labour Muslim Network mostrou que o Partido Trabalhista está perdendo o apoio das comunidades muçulmanas nacionalmente.

Um número significativo de Imames/indivíduos proeminentes, mesquitas e organizações comunitárias estão ansiosos para receber uma atualização do progresso desta carta em particular e estão observando a situação de perto.

Se as necessidades e questões próximas aos nossos corações não forem abordadas – é inevitável que as congregações, membros e comunidades locais concluam que o Partido Trabalhista não tem mais os melhores interesses no coração. É provável que esse cenário tenha impacto sobre outros constituintes no Reino Unido, onde seções significativas do eleitorado compartilham as mesmas preocupações sobre essas questões.

Esperamos que isso possa ser evitado e que a liderança trabalhista responda positivamente ao acima. Estamos ansiosos para ouvir de você.

Com os melhores cumprimentos,

Organização AnsaarMadressa MahmoodiaBatley & Dewsbury Friends of Al AqsaCentro Islâmico Hilal e Masjid / Centro Cultural BósnioIlaahi MasjidAl Hashim Academy

Categorias
Europa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Show Comments