Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Líder trabalhista do Reino Unido desiste do iftar do Ramadã após lobby pró-Israel

O líder do Partido Trabalhista britânico, Keir Starmer, deixa a sede da BBC em Londres, Reino Unido, em 10 de janeiro de 2021 [Tayfun Salci/Agência Anadolu]
O líder do Partido Trabalhista britânico, Keir Starmer, deixa a sede da BBC em Londres, Reino Unido, em 10 de janeiro de 2021 [Tayfun Salci/Agência Anadolu]

O líder trabalhista Kier Starmer foi duramente criticado por se retirar de um evento virtual inter-religioso do Ramadã depois que um grupo de lobby pró-Israel o alertou sobre o apoio do organizador ao boicote de tâmaras israelenses produzidas em territórios ocupados pelo estado sionista.

Starmer foi convidado a comparecer à refeição virtual de quebra do jejum, organizada pelo Projeto Tenda Ramadan na quarta-feira. Desde a sua fundação em 2013, o grupo organizou alguns dos maiores eventos comunitários anuais do Reino Unido durante o Ramadã e em um ano recebeu mais de 100.000 pessoas de todas as origens em mais de dez cidades e quatro continentes.

Apesar de concordar em participar, Starmer desistiu depois que o Conselho de Deputados (BoD, na sigla em inglês), um grupo de lobby pró-Israel afiliado ao Congresso Judaico Mundial (WJC, na sigla em inglês), o alertou sobre os comentários anteriores dos organizadores no Twitter, incluindo um tweet apoiando o boicote de tâmaras de produção israelense.

Na terça-feira, Tal Ofer, do Conselho, tuitou: “feliz em ver que, depois que eu levantei essa questão, Keir Starmer retirou sua participação do evento”.

O Jewish News informou que fontes trabalhistas confirmaram que o Leaders Office levou em consideração as preocupações do Conselho levantadas sobre os organizadores.

A decisão foi recebida com condenação. A Associação Muçulmana da Grã-Bretanha (MAB, na sigla em inglês) disse estar “desapontada” ao saber que o líder trabalhista se retirou “devido ao apoio do anfitrião ao boicote de tâmaras cultivadas em assentamentos israelenses”. O grupo apontou que produtos produzidos por Israel em assentamentos ilegais violam o direito internacional. A pesquisa YouGov que mostrou que 61 por cento dos membros Trabalhistas apoiaram a campanha de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) também foi citada pelo MAB em sua declaração.

LEIA: Falha do primeiro-ministro do Reino Unido em apoiar investigação do TPI sobre crimes de guerra de Israel é ‘lamentável’

As pessoas também acessaram o Twitter para denunciar o líder trabalhista. “Ei,

@Keir_Starmer, antes pessoas boas – provavelmente você na época – se recusavam a comprar laranjas do apartheid da África do Sul Agora, algumas pessoas boas se recusam a comprar tâmaras do apartheid Israel.”

“Sugerir que as pessoas que não compram tâmaras israelenses são ‘antissemitas’ é ultrajante, insultuoso e totalmente errado”, disse um crítico.

Em junho, o BoD denunciou o Partido Trabalhista britânico como “divisivo”, após apelos da secretária de Relações Exteriores Shadow, Lisa Nandy, ao Reino Unido para proibir a importação de bens de assentamentos ilegais na Cisjordânia se o governo israelense prosseguir com seu plano anexar grandes áreas da Cisjordânia ocupada.

O não comparecimento de Starmer segue outra importante vitória do lobby israelense no início deste mês, quando o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, tornou pública a oposição britânica à investigação do Tribunal Penal Internacional (TPI) sobre crimes de guerra cometidos por Israel. Sua intervenção teria sido feita a pedido do grupo de lobby israelense Conservative Friends of Israel (CFI).

O CFI foi criticado pela “mais repugnante interferência” na política britânica pelo ex-ministro do Exterior, sir Alan Duncan. Ele disse que o CFI injetou uma “visão do tipo Netanyahu da política israelense “em nossa política externa”, referindo-se ao primeiro-ministro de direita de Israel. Alegou que havia pressionado o governo da ex-primeira-ministra do Reino Unido Theresa May para impedi-lo de se tornar ministro do Oriente Médio no Ministério das Relações Exteriores.

Categorias
Europa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Show Comments