Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel adia apelo de famílias palestinas que estão sendo deslocadas de Jerusalém

Palestinos protestam contra a decisão do tribunal israelense de despejar famílias palestinas na cidade de Silvan antes da ação pré-julgamento no Tribunal Central de Israel sobre a objeção dos palestinos em Jerusalém Oriental, em 10 de junho de 2021 [Eyad Tawil/Agência Anadolu]

O Tribunal Central de Israel decidiu adiar a consideração da petição de duas famílias palestinas contra seu despejo forçado do bairro de Batn Al-Hawa, em Jerusalém Oriental ocupada.

Esta manhã, o tribunal adiou a audiência em nome das famílias Al-Rajabi e Abu Nab até o início do próximo mês. Fora do tribunal, a polícia israelense agrediu residentes e membros das duas famílias que se reuniram em uma demonstração de apoio. Pelo menos três pessoas foram presas, de acordo com a agência de notícias Wafa.

Há uma preocupação crescente de que o bairro localizado na área de Silwan seja “o próximo Sheikh Jarrah”, enquanto Israel tenta judaizar esses bairros árabes históricos com colonos judeus. Os eventos em Sheikh Jarrah causaram a pior violência dos últimos tempos entre colonos israelenses e palestinos locais na cidade e na Cisjordânia ocupada, mas também entre cidadãos palestinos de Israel.

A profanação da mesquita de Al-Aqsa durante o Ramadã também desencadeou a recente ofensiva militar israelense contra Gaza, quando as facções da resistência retaliaram a agressão sancionada pelo Estado em Jerusalém.

LEIA: Israel invade e fecha centro de saúde na Cisjordânia

Até 86 famílias de Jerusalém enfrentam a ameaça de deslocamento em Batn Al-Hawa, pois suas casas estão sendo reivindicadas pela organização de colonos Ateret Cohanim. De acordo com esse grupo, as casas são construídas em terrenos de propriedade de judeus iemenitas que viviam na área antes do estabelecimento do Estado de Israel em 1948. O Centro do Patrimônio Judaico Iemenita foi criado pela organização em Batn Al-Hawa em 2018.

O chefe do conselho local em Batn Al-Hawa, Zuhair Al-Rajabi, foi citado pelo Al-Monitor como tendo dito que em 2015, Ateret Cohanim entregou avisos de despejo aos residentes do bairro que reivindicam a propriedade do terreno. “Temos títulos e vivemos no bairro há mais de 60 anos”, explicou Rajabi.

Apesar das alegações do grupo de colonos de que a terra pertencia a judeus iemenitas desde 1881, durante a era otomana, os tribunais se recusaram a levar em consideração documentos da mesma época apresentados pelas famílias que comprovavam seu direito às casas e à terra em que se encontravam.

Os tribunais israelenses têm continuamente decidido a favor das reivindicações da Ateret Cohanim e, embora os residentes tenham apresentado recursos, a decisão foi adiada várias vezes, com a Suprema Corte atualmente analisando o caso.

Um membro de uma das duas famílias afetadas, Sharaf Ghaith, disse a Al-Araby Al-Jadeed que as afirmações da organização de colonos são baseadas em “documentos falsos”, frisando que a família não sairá de casa “a qualquer preço”.

LEIA: Residências palestinas são demolidas em Silwan, em Jerusalém

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments