Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A Síria definitivamente cometeu ataques com armas químicas, disse a ONU

O logotipo da Organização para a Proibição de Armas Químicas é retratado no prédio da sede, em 24 de junho de 2020 em Haia, Holanda [Yuriko Nakao/Getty Images]
O logotipo da Organização para a Proibição de Armas Químicas é retratado no prédio da sede, em 24 de junho de 2020 em Haia, Holanda [Yuriko Nakao/Getty Images]

A Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) informou ao Conselho de Segurança da ONU que, de 77 incidentes de ataques químicos atribuídos ao regime sírio investigados, 17 foram provavelmente ou definitivamente tiveram envolvimento com as substâncias ilegais.

Descrevendo a incerteza sobre a continuidade do programa de armas químicas da Síria e seu suposto estoque como “uma realidade perturbadora”, o chefe da OPAQ, Fernando Arias, revelou que o regime do presidente Bashar Al-Assad ainda é suspeito de cometer 17 ataques químicos contra seus civis população.

Arias também revelou que informou ao regime de suas intenções de enviar uma equipe da OPAQ à Síria para dar continuidade às investigações de 18 de maio a 1º de junho e que havia solicitado vistos, mas não obteve resposta. “Decidi adiar a missão até novo aviso”, acrescentou.

Nas próximas consultas e reuniões de sua organização com Damasco, disse ele, uma prioridade a ser abordada será “a presença de um novo agente de armas químicas encontrado em amostras coletadas em grandes contêineres em setembro de 2020”.

Ao longo da década de conflito em curso na Síria, surgiram vários relatos de ataques com armas químicas, com o regime sendo acusado de executá-los. Depois de finalmente ingressar na OPAQ a mando de seu aliado Rússia, Assad anunciou em 2014 que havia destruído completamente seus estoques de armas químicas e descartado o programa.

No entanto, após outros ataques químicos ao longo dos anos, especialmente em 2017 e 2018, a comunidade internacional e a OPAQ questionaram se o regime havia realmente destruído seus estoques. No início deste ano, um alto funcionário da ONU também admitiu que não tinha certeza se Damasco havia se livrado de suas armas químicas.

Enquanto isso, Damasco e Moscou negaram repetidamente que o regime conduziu os ataques. Eles culpam os grupos de oposição e as equipes de defesa civil e alegam que a intenção deles era incriminar Assad.

A Rússia reagiu com o anúncio da OPAQ ontem. Seu embaixador na ONU, Vassily Nebenzia, acusou o órgão de fiscalização de coletar poucas evidências de “pseudotestemunhas” e “fontes tendenciosas que se opõem ao governo sírio”.

Expressando preocupação com a alegada “crescente politização de seu trabalho, iniciada por nossos colegas ocidentais”, Nebenzia chegou a questionar a legitimidade da OPAQ. Ele alegou que foi “estabelecido ilegitimamente”. “Você não pode esperar que a Síria esteja cooperando com ele.”

A embaixadora da Grã-Bretanha na ONU, Barbara Woodward, e o vice-embaixador dos Estados Unidos, Richard Mills, condenaram as posições tomadas pela Síria e pela Rússia. Eles insistiram que os dois se coordenassem na divulgação da desinformação e pediram que cooperassem com o órgão internacional de vigilância.

Em 21 de abril, a OPAQ suspendeu os direitos de voto da Síria até a resolução de todas as questões pendentes, após apelos da França para fazê-lo e uma votação sem precedentes.

LEIA: O que vem depois da farsa eleitoral de Assad?

Categorias
NotíciaONUOPCWOrganizações InternacionaisOriente MédioSíria
Show Comments
Show Comments