Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O que vem depois da farsa eleitoral de Assad?

Sírios se manifestam na cidade de Idlib contra o início das eleições presidenciais em áreas controladas pelo Regime Assad, Síria, em 26 de maio de 2021 [Izzeddin Idilbi / Agência Anadolu]
Sírios se manifestam na cidade de Idlib contra o início das eleições presidenciais em áreas controladas pelo Regime Assad, Síria, em 26 de maio de 2021 [Izzeddin Idilbi / Agência Anadolu]

As eleições costumam ter um caráter competitivo, com candidatos e partidos políticos disputando a atenção do público durante as semanas e meses anteriores à votação. Apesar de nem todas as eleições terem disputas apertadas, deve haver um senso de competição e até mesmo incerteza. Quando uma eleição é, no entanto, como uma partida de futebol onde os árbitros são tendenciosos; a maioria de seus jogadores são proibidos de jogar e, de qualquer modo, não podem treinar antes da partida; a equipe adversária começa com uma vantagem de 5-0; e o campo do jogo é literalmente inclinado para seus adversários, é um problema sério. É justo dizer que mesmo nesse exemplo de partida de futebol manipulada, onde todos conhecem o resultado com antecedência, não chega perto ao examinar a recente “eleição” presidencial da Síria.

A única surpresa foi que Bashar Al-Assad teve 95,1% dos votos e não 99% como o povo sírio já viu em muitas eleições anteriores durante o tempo de seu pai, Hafiz Al-Assad. É plausível, entretanto, que o ditador sírio pretendesse deixar uma pequena lacuna para torná-la mais “realista”, embora com tal margem, e dadas as condições em que a votação foi realizada, é absolutamente claro que a eleição foi fraudulenta. O fato de o Ocidente ter condenado amplamente esta farsa é saudado, mas o medo da normalização com o regime de Assad permanece muito real.

A Síria é um Estado falido. Com uma economia movida pelo comércio de drogas, é também um narcoestado. Assad continua no poder; um criminoso de guerra, ele não pode simplesmente ser reabilitado. Muito sangue foi derramado, e ele deveria estar em Haia enfrentando julgamento por crimes contra a humanidade e crimes de guerra, não governando o país. Assim, é uma preocupação que vários estados árabes já estejam seguindo o caminho da normalização; os Emirados Árabes Unidos e Bahrein reabriram suas embaixadas em Damasco, e fala-se da Liga Árabe acolhendo a Síria pela primeira vez desde sua suspensão há quase dez anos.

LEIA: Quando os sírios perderam seu momento na história

As provas de fraude eleitoral são abundantes. Fotos vazadas mostram o comitê eleitoral enchendo urnas em muitas áreas em cidades controladas pelo regime. Alguns membros de milícias pró-governamentais votaram em várias ocasiões. Em algumas cabines de votação, figuras militares escoltavam os eleitores e os vigiavam enquanto registravam seu voto. Assad permitiu um par de candidatos simbólicos que mal fizeram campanha. O humor de forca do povo sírio é que até mesmo os outros dois candidatos escolhidos por Assad para concorrer contra ele podem ter votado a seu favor. A grande maioria dos cidadãos sírios não tem qualquer ideia sobre os antecedentes dessas duas pessoas.

Além disso, milhões de sírios que vivem em todo o país não puderam dar seu “voto”. Essa eleição falsa foi ilegítima e tem sido essencialmente usada pelo regime como uma distração do estado horrendo da economia, que se deve a anos de má administração do governo. Ironicamente, o número de votos emitidos foi quase o dobro do número de pessoas elegíveis para votar, então de onde todos eles vieram?

Assad, da Síria, tenta apagar seus crimes de guerra em preparação para as eleições - Charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

Assad, da Síria, tenta apagar seus crimes de guerra em preparação para as eleições – Charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

Pode-se argumentar que esta “eleição” foi usada como uma tentativa do regime de recuperar a narrativa do conflito. O décimo aniversário da revolução passou recentemente. A Síria está em um estado de agitação contínua desde que o regime respondeu aos manifestantes com agressão a partir do primeiro dia. Esta “eleição” foi uma manobra cínica do regime para demonstrar que a revolta terminou e que Assad, tendo sido “reeleito”, tem legitimidade e não vai a lugar algum. Essa narrativa não pode ser permitida, e qualquer vitória que o regime afirma ter conquistado é pírrica. É uma “vitória” onde metade da população anterior à guerra está deslocada; 10% da população foi morta; e o país é irreconhecível do que um dia foi; e tudo por causa do apego ao poder.

Grande parte da culpa por isso é da comunidade internacional. Iniciativas como o comitê constitucional, que discutivelmente tinham potencial, têm sido usadas como uma distração e os sírios se sentem como se tivessem sido amarrados. Além das palavras de condenação, pouco tem sido feito e o povo sírio fala abertamente que o mundo os abandonou durante a última década. Assad também sentiu isso, com o apoio que está recebendo da Rússia e do Irã; Israel também está interessado em mantê-lo no poder. Além disso, os recentes acontecimentos que resultaram na Síria – alguns dias após a farsa eleitoral presidencial – ter sido eleita como membro do conselho executivo da Organização Mundial da Saúde (OMS) deixam um gosto azedo na boca. É quase como um presente de felicitações para Assad por “ganhar” 95,1% dos votos.

LEIA: ‘Esforços estão em andamento para melhorar as relações com a Arábia Saudita’, diz conselheiro de Assad

Há uma ironia doentia em um regime que tem repetidamente alvejado e bombardeado hospitais e cometido crimes de guerra recebendo um assento na diretoria executiva da principal organização de saúde do mundo. A OMS tem sérias perguntas a responder, pois isto é claramente inaceitável. Vale notar que o ministro sírio da Saúde, Hassan Ghabache, que representará seu país na diretoria executiva da OMS, está na lista de sanções financeiras da Grã-Bretanha desde março, e na lista de sanções europeias desde novembro passado. Também é bem conhecido que na Síria até mesmo as políticas de saúde são controladas pelas forças de segurança. Isso foi abordado por Jett Goldsmith, um pesquisador da sociedade civil do Colorado, que relatou isso após sua entrevista com o representante da OMS na Síria, há algumas semanas.

Em vez de normalizar as relações com o regime de Assad através do Conselho de Segurança da ONU e outras organizações como a OMS, a ONU deveria expulsar a Síria até que haja uma mudança no regime. Deve-se resistir a qualquer normalização do ditador, e os líderes mundiais devem deixar este ponto bem claro. Após dez longos anos de derramamento de sangue, luta e morte, o povo sírio merece muito mais.

Existe, porém, um perigo real de que a Síria seja esquecida; um perigo real de que a reconstrução da Síria seja deixada aos Estados do Golfo, que estão entrando em pactos com Assad para distanciá-lo do Irã. Isso seria um fracasso para a política e a diplomacia de Estado. E, finalmente, um fracasso para a liberdade e a dignidade em todo o mundo.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoOpiniãoOriente MédioSíria
Show Comments
Show Comments