Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Grã-Bretanha treina forças de segurança palestinas para proteger Israel

Forças de segurança palestinas montam guarda na entrada do campo de Balata, perto da cidade ocupada de Nablus, na Cisjordânia, em 15 de dezembro de 2020 [Jaafar Ashtiyeh/AFP via Getty Images]
Forças de segurança palestinas montam guarda na entrada do campo de Balata, perto da cidade ocupada de Nablus, na Cisjordânia, em 15 de dezembro de 2020 [Jaafar Ashtiyeh/AFP via Getty Images]

A Grã-Bretanha está atualmente ajudando a treinar e a desenvolver as forças de segurança palestinas na Cisjordânia ocupada por Israel em um esforço para prevenir o “potencial transbordamento de violência em Israel”, revelou uma investigação do Declassified UK.

O Programa de Capacitação, Responsabilidade, Sustentabilidade e Inclusão visa fornecer às forças de segurança da Autoridade Palestina apoio e treinamento para torná-las “mais capazes” ao lidar com “ameaças a Israel originadas na Cisjordânia”. A promoção da “cooperação de segurança com Israel” também é um objetivo.

Com base em parte em registros e estatísticas obtidos por meio de um pedido de liberdade de informação, a investigação descobriu que o programa custou aos contribuintes britânicos £ 3,3 milhões no ano passado. Isso se seguiu aos £ 2,3 milhões que o Ministério da Defesa alocou em 2017-18 para sua “Equipe de Apoio Britânica” baseada na cidade de Ramallah, na Cisjordânia.

Esse financiamento, por sua vez, foi proveniente do Fundo de Conflito, Segurança e Estabilidade (CSSF, na sigla em inglês) entre governos de £ 1,3 bilhão, uma subsidiária de departamentos governamentais importantes que visa melhorar a estabilidade em várias regiões, financiando projetos que não afetam diretamente a segurança nacional da Grã-Bretanha.

A equipe que treina as forças de segurança palestinas, descobriu a Declassified UK, é composta de sete militares do Exército Britânico e da Força Aérea Real liderados por um brigadeiro. Um documento relacionado ao programa observa que esse apoio britânico já existe há dezessete anos e, de fato, visa “reduzir as ameaças potenciais à segurança do Reino Unido”, abordando o alegado extremismo nos territórios ocupados.

LEIA: Enquanto Israel se aproxima de seu jogo final, é possível que não haja uma terceira Intifada

De acordo com a literatura do programa, no entanto, o objetivo de longo prazo do treinamento é estabelecer as bases para uma solução de dois Estados e preparar as forças de segurança de um futuro Estado palestino, um processo que os britânicos há muito afirmam apoiar. “O Reino Unido apoia a reforma do setor de segurança palestino porque um PASF [Forças de Segurança da Autoridade Palestina] capaz é um pré-requisito para uma solução de dois estados para o conflito israelense-palestino”, explica o documento.

Apesar da AP ser geralmente vista como o órgão político legítimo que representa os palestinos na Cisjordânia – após sua criação em 1994 após os Acordos de Oslo -, tem havido preocupações generalizadas sobre sua corrupção, falta de legitimidade política do presidente Mahmoud Abbas (cujo mandato de escritório deveria ter terminado em 2009) e sua coordenação de segurança com Israel. A tortura de detidos palestinos pela AP também foi documentada.

O relatório do Declassified UK também detalha outros programas de segurança de Whitehall na região, incluindo a fabricação e a distribuição de veículos militares para as forças da Autoridade Palestina e da Jordânia, bem como amplo apoio e treinamento para as forças de segurança libanesas que lidam com refugiados palestinos na ONU em campos de refugiados no Líbano. Embora o Ministério da Defesa e o Ministério das Relações Exteriores em Londres afirmem que tais operações têm o propósito de conter a influência de grupos como o Hezbollah, todos os projetos sob a CSSF têm o objetivo comum declarado de evitar que a resistência palestina e o “extremismo violento” se espalhem em Israel.

LEIA: A resistência heróica da Palestina sinaliza o fracasso do sionismo

Categorias
Europa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Show Comments