Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A resistência heróica da Palestina sinaliza o fracasso do sionismo

Manifestantes pró-Palestina em 15 de maio de 2021 [Bridget Bannett/ AFP via Getty Images]
Manifestantes pró-Palestina em 15 de maio de 2021 [Bridget Bannett/ AFP via Getty Images]

A resistência heróica da juventude palestina na Mesquita de Al-Aqsa em Jerusalém é uma afirmação clara do fracasso do projeto sionista de colonizar a terra da Palestina e esvaziá-la de seus povos indígenas. O primeiro-ministro de Israel nascido na Polônia, David Ben-Gurion, declarou em 1948: “Devemos fazer tudo para garantir que eles [os palestinos] nunca retornem”. Na verdade, ele garantiu a seus companheiros sionistas que os palestinos nunca voltariam para suas casas. “Os velhos vão morrer e os jovens vão esquecer”, ele insistiu. Ele estava errado.

Protestos palestinos contra a limpeza étnica e judaização de Jerusalém ocupada, especialmente no bairro de Sheikh Jarrah, demonstram que nem mesmo o reconhecimento do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de Jerusalém como a “capital de Israel” será aceito. Sheick Jarrah deve o seu nome ao médico pessoal do libertador icônico de Jerusalém, Salahuddin Al-Ayubi (“Saladino”) em 1187, dos Cruzados. A maioria de seus atuais residentes palestinos são refugiados cujas famílias foram vítimas de limpeza étnica pelos sionistas em 1948 e são originários do bairro de Talbiya.

O legado de Trump no Oriente Médio - Charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

O legado de Trump no Oriente Médio – Charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

O sionismo político é uma ideologia colonial racista desenvolvida em 1896 por um judeu austríaco chamado Theodor Herzl. Seu principal objetivo era o estabelecimento do “Grande Israel” no coração do mundo árabe e muçulmano, estendendo-se do rio Nilo no Egito ao rio Eufrates no Iraque, como uma pátria exclusivamente judaica para o que foi denominado “Povo Judeu”.

Na virada do século passado, os colonialistas britânicos e franceses estavam ocupados instigando revoltas no Oriente Médio, comprando a lealdade dos chefes tribais árabes para usá-los contra o sultão otomano em Istambul. A mistura tóxica do colonialismo ocidental, do nacionalismo árabe e do sionismo político facilitou a imposição da entidade sionista na Palestina por meio da infame Declaração de Balfour de 1917, emitida pelo então Secretário de Relações Exteriores britânico.

LEIA: Cidadãos palestinos de Israel são a chave para acabar com o apartheid

O sionismo político, apesar dos esforços extenuantes de seus proponentes, pouco ou nada tem a ver com o judaísmo, a religião de milhões de judeus. Na verdade, os principais rabinos da Conferência da Filadélfia em novembro de 1869 adotaram uma resolução que enfatizava a oposição radical entre os princípios universalistas do judaísmo e os do sionismo.

O racismo do sionismo político é um sistema perfeitamente coerente que sustenta as leis e práticas de Israel. Abrange todas as características odiosas do colonialismo, incluindo limpeza étnica, massacres regulares e o bombardeio de populações civis; guerras de agressão, desapropriação, exílio, racismo sistêmico, apartheid e desestabilização.

Com uma infusão maciça de ajuda financeira, diplomática e militar das potências coloniais britânicas e francesas, os sionistas realizaram o projeto de estabelecer o estado de Israel na Palestina depois que 750.000 árabes palestinos indígenas foram etnicamente limpos de suas terras.

Significativamente, a desintegração do Império Otomano após a Primeira Guerra Mundial fragmentou o coração árabe do Islã em cerca de 40 territórios fracos e dependentes e protetorados ricos em petróleo. Não conseguiu fragmentar ainda mais a Síria, o Iraque e o Líbano em enclaves étnicos menores de feudos alauitas, sunitas, xiitas, curdos e cristãos.

De acordo com o Plano de Partição da ONU de 1947, Jerusalém foi designada como um organismo internacional. A cidade abriga o Nobre Santuário de Al-Aqsa, e seu status internacional especial foi concedido por causa de sua importância para as três religiões abraâmicas.

A anexação ilegal de Jerusalém por Israel, incluindo a Cidade Velha que ocupou em 1967, viola vários princípios do direito internacional. Significativamente, neste caso, uma potência ocupante não tem soberania sobre o território que está ocupando e não pode impô-la.

Apesar disso, Israel mudou a demografia dos territórios palestinos ocupados, incluindo Jerusalém, com a judaização de Jerusalém Oriental e da Cidade Velha. Os palestinos indígenas têm apenas o status de residência permanente, não de cidadania, em contraste com os judeus que nascem na cidade. A explosão de raiva em Sheikh Jarrah é consequência de décadas de expulsão, opressão e injustiça.

Foi isso que fez o apartheid na África do Sul, e agora os principais grupos de direitos humanos dizem que Israel ultrapassou o limiar para ser designado como um estado de apartheid. O muro do apartheid, através do qual os sionistas isolaram os palestinos de suas famílias, fazendas, instalações públicas e outras partes de suas próprias terras, fez com que Israel roubasse ainda mais território palestino. Em uma decisão proferida em julho de 2004, a Corte Internacional de Justiça descreveu o muro do apartheid de Israel como ilegal.

Com base em afirmações bíblicas espúrias de que “Deus prometeu” a “terra sem povo a um povo sem terra” – os palestinos não existem como um povo na mitologia sionista – Israel continua a arrancar famílias palestinas de suas casas e vilas, muitas vezes em mão armada. Os colonos judeus são a vanguarda do movimento colonial sionista e todos andam em armas.

Os sul-africanos nunca devem esquecer a Resolução 3379 da Assembleia Geral da ONU – “Eliminação de todas as formas de discriminação racial” – que diz “Sionismo é uma forma de racismo e discriminação racial”. A resolução foi adotada em 10 de novembro de 1975, apoiada pela maioria da comunidade internacional, mas vergonhosamente rescindida mais tarde.

É hora de o governo sul-africano parar de emitir declarações fúteis à imprensa sobre o apoio à fraude “dois Estados” há muito morta, ao lado da banal “condenação” dos crimes hediondos cometidos por Israel. Não há alternativa senão a África do Sul apoiar os palestinos no retorno à resistência armada consagrada pelo tempo e sancionada internacionalmente contra o “genocídio crescente” de Israel, como o chama o historiador israelense Professor Ilan Pappé. Até que essa ideologia racista seja extirpada e eliminada irrevogavelmente, não haverá paz na Palestina, ou em qualquer outro lugar do mundo.

LEIA: Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa realizam marcha em Ramallah após 16 anos

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments