Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Residentes de Mogadíscio fogem em meio a divisões nas forças de segurança na Somália

Moradores começam a fugir de suas casas após recentes acidentes entre as forças de segurança da Somália e a força militar somali em Mogadíscio, Somália, em 27 de abril de 2021 [AFP via Getty Images]
Moradores começam a fugir de suas casas após recentes acidentes entre as forças de segurança da Somália e a força militar somali em Mogadíscio, Somália, em 27 de abril de 2021 [AFP via Getty Images]

Moradores da capital somali, Mogadíscio, fugiram dos bairros hoje temendo novos confrontos entre facções rivais das forças de segurança, que se dividiram em uma disputa acerca da extensão do mandato do presidente, informou a Reuters.

As forças do governo também invadiram uma estação de rádio independente e confiscaram equipamentos.

Forças leais à oposição controlam partes da cidade e os dois lados entraram em confronto no fim de semana, aumentando o temor de que os insurgentes do Al Shabaab ligados à Al-Qaeda possam explorar um vácuo de segurança enquanto as forças estatais se enfrentam.

No início deste mês, a câmara do parlamento da Somália votou pela prorrogação do mandato de quatro anos do presidente Mohamed Abdullahi Mohamed, mas o Senado rejeitou a medida, provocando a crise.

Muitos soldados das forças armadas da Somália devem sua lealdade às milícias do clã que frequentemente lutam entre si por poder e recursos.

LEIA: Explosão á beira de uma estrada na Somália mata comandante militar

A prorrogação do mandato presidencial também irritou doadores estrangeiros, que apoiaram o governo de Mohamed na tentativa de trazer estabilidade a um país que vem sendo assolado por uma guerra civil desde 1991.

Moradores disseram que deixaram alguns bairros de Mogadíscio, temendo confrontos após a invasão das forças armadas.

“Esta manhã, ficamos surpresos ao ver mais soldados pró-oposição bem armados se instalando nesta área de Siigaale, eles nos disseram para nos mudarmos”, disse Abdullahi Mohamed, um ancião local. Siigale fica perto da estrada Maka Al-Mukarama que leva ao palácio presidencial.

Kaaha Ahmed, mãe de cinco filhos, disse que eles deixaram o distrito de Hodan depois que as forças pró-governo chegaram.

“Na noite passada vimos um movimento maior das forças do Farmajo, aproximando-se de todas as direções”, disse ela, referindo-se ao presidente Mohamed pelo apelido.

“Não queríamos ser apanhados na batalha antecipada.”

As forças policiais de Haramcad (“Cheetah”) também invadiram a Rádio Mustaqbal, um canal privado, levando equipamentos e assediando jornalistas, disse o gerente da estação.

“Solicitamos às forças que devolvam nosso equipamento e não nos maltratem novamente”, disse Ahmed Isse Gutale, gerente da Mustaqbal Media, à Reuters.

LEIA: Mulher do Reino Unido diz que os Emirados Árabes negaram seu visto de trabalho devido à descendência somali

Nem o porta-voz do Ministério da Informação, Ismail Mukhtar Omar, nem o porta-voz da polícia Sadik Ali atenderam ligações ou mensagens de texto pedindo comentários.

Durante a noite, jornalistas da Reuters viram um grande número de tropas governamentais posicionadas em locais estratégicos, incluindo perto da casa do candidato presidencial da oposição Abdirahman Abdishakur, onde os confrontos ocorreram no domingo, e na área de Gashandhiga, onde os militares estão sediados.

Enquanto isso, algumas forças de oposição se mudaram do distrito de Hodan para o distrito de Hawle Wadag, de acordo com repórteres da Reuters, uma parte da cidade onde hotéis, empresas e escolas podem ser encontrados.

Categorias
ÁfricaNotíciaSomália
Show Comments
Show Comments