Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O Nilo ainda é rei no Egito?

Vista aérea do rio Nilo, em 10 de abril de 2021 [Khaled Desouki/ AFP via Getty Images]

No século 5 aC, o grande historiador e viajante Heródoto disse que o Egito era a dádiva do rio Nilo. Quatrocentos anos depois, o poeta romano Tibullus venerou o Nilo, dizendo: “Ao longo de sua margem, nenhuma oração é feita a Jove por chuvas frutíferas. Em ti, elas chamam!”

No século XX, o “Príncipe dos Poetas” do Egito, Ahmed Shawqi, escreveu: “O Nilo é negus, bonito e acastanhado. Sua cor é uma maravilha, ouro e mármore. Seu arghul em suas mãos, louvando seu senhor. A vida de nosso país, ó Deus, aumente-a. ”

Quando Mohammed Abdel Wahhab cantou o poema do filme A Rosa Branca em 1933, os egípcios ficaram furiosos e se opuseram à tentativa de Shawqi de atribuir o grande rio Nilo ao negus, um título do Rei da Abissínia, a moderna Etiópia. Shawqi tranquilizou o povo egípcio explicando que a palavra negus vem da língua amárica e a usou para transmitir o significado de que o Nilo é rei por causa do grande e glorioso papel que desempenha na vida do Egito.

Muita água do Nilo fluiu desde então e hoje o governante é governado pela Etiópia. Quando Shawqi descreveu o Nilo como rei, o Egito era poderoso, com domínio geográfico estendendo-se pela África. Isso foi especialmente verdade durante a era do presidente Gamal Abdel Nasser, que apoiou revoluções em todo o continente com armas e fundos. Sob Nasser, Cairo foi uma incubadora de revoluções africanas.

A famosa Universidade Al-Azhar enviou missões educacionais e religiosas por toda a África, bem como delegações culturais. A Organização de Solidariedade dos Povos Afro-Asiáticos (AAPSO) foi criada em 1957 para se tornar um dos ramos da Conferência de Bandung, que é uma ONG internacional sediada no Cairo que promove a libertação nacional e a solidariedade entre os povos do Terceiro Mundo. A organização era liderada por personalidades egípcias de destaque e culturalmente significativas, que desempenharam um papel importante no fortalecimento da amizade entre o Egito e os países africanos, como o ex-ministro da Cultura, o escritor Youssef El Sebai, o grande escritor Abdel Rahman El-Sharkawy e Ahmed Hamroush.

LEIA: Egito acusa Etiópia de intransigência sobre a Represa do Renascimento

Tudo isso aconteceu durante a Guerra Fria, quando o mundo foi dividido em dois campos: o Bloco de Leste liderado pela União Soviética; e o Ocidente liderado pelos Estados Unidos. O Egito estava mais perto dos soviéticos. No entanto, à medida que o Egito avançou gradualmente em direção aos Estados Unidos, seu papel no Chifre da África começou a declinar. Ele desapareceu totalmente nos últimos 30 anos, enquanto a participação ativa do Cairo nas cúpulas africanas também diminuiu lentamente, especialmente depois da tentativa de assassinato de 1995 contra o ex-presidente Hosni Mubarak em Addis Abeba.

Trinta anos de arrogância e manutenção de distância da África tiveram consequências para o Egito, cujos efeitos podemos ver hoje. O Egito basicamente deixou a África de boa vontade, apesar de todos os ganhos que obteve lá. O vácuo deixado para trás foi preenchido pela China do leste, substituindo a velha União Soviética no continente; Itália do norte; e o Israel sionista se infiltrando nas profundezas da África pós-Oslo. A maioria dos países africanos que se abstiveram de estabelecer relações diplomáticas com Israel em apoio aos palestinos começaram a mudar para a normalização com o estado de ocupação após a assinatura do tratado em 1993, já que eles não poderiam ser mais leais à causa do que seus próprios defensores na Organização para a Libertação da Palestina.

O Egito não é mais o estado que os africanos conheciam, e a Etiópia, de onde provém 85% das águas do Nilo, não é mais aliada do Cairo. O imperador Haile Selassie, que costumava se curvar para beijar a mão do Papa de Alexandria, Abba Kyrillos, se foi, assim como o presidente Mengistu Haile Mariam, e os comunistas tomaram o poder em 1974 em meio a uma mudança de política no Egito e o salto que deu em direção ao oeste.

A questão atual entre Egito e Etiópia se concentra na Grande Barragem da Renascença Etíope, mas é simplesmente mais um episódio de uma série de eventos que começaram há quatro décadas, em que o Egito está pagando o preço do declínio de seu status regional e internacionalmente. O mundo mudou, mas nos recusamos a ver e reconhecer a mudança.

A ideia de construir a barragem não é nova; tem sido o sonho da Etiópia por mais de meio século. Em 1956, engenheiros americanos que trabalhavam no US Bureau of Reclamation conduziram uma pesquisa abrangente do Nilo Azul para determinar os locais mais apropriados para construir uma barragem gigantesca durante o governo de Haile Selassie. Os EUA e o Banco Mundial deveriam financiar o projeto, mas ele foi suspenso após o golpe militar de 1974 e o colapso do Império Etíope sob governantes militares apoiados pela União Soviética.

Isso aconteceu principalmente porque a Etiópia era um estado pobre, sem recursos financeiros para construir a barragem. O Egito era o principal país a jusante e a potência mais proeminente na Bacia do Nilo. Seus aliados ocidentais não permitiriam que um estado pró-soviético controlasse o Nilo por meio de uma enorme barragem financiada por Moscou.

LEIA: Israel se aproveita do acidente no Canal de Suez para promover suas alternativas

Etiópia renova compromisso com a mediação da UA em negociações sobre barragens – Charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

As ambições dos etíopes permanecem, porém, assim como seu entusiasmo para controlar o Nilo; eles acreditam que têm o direito de explorar “seus” recursos hídricos. Portanto, a Barragem da Renascença foi mantida na ordem do dia, embora a Etiópia tenha construído várias outras barragens. É, simplesmente, o Projeto X, como era conhecido no meio político, uma das poucas questões que podem unir o povo etíope dilacerado por conflitos raciais, étnicos e sectários.

 

O Egito mantém os tratados de 1929 e 1959 que regulamentam o uso da água do Nilo e evitam o financiamento externo de barragens na Bacia do Nilo. Segundo esses acordos, Cairo tinha o direito de vetar qualquer projeto que pudesse ameaçar sua participação e direitos sobre a água. É por isso que os esforços de sucessivos governos etíopes para buscar financiamento para a barragem fracassaram, a ponto de Addis Abeba ter de culpar o Egito abertamente por pressionar os investidores internacionais a se abster de se envolver, alegando que era ilegal, mas desde quando política tem sido sobre o que é legal e o que não é?

Por mais de vinte anos de negociações, o Egito nunca deu atenção às demandas dos países a montante e nunca se incomodou com o fato de que estudos de viabilidade estavam sendo conduzidos por eles. A posição da Etiópia foi clara desde o início, mas nós, egípcios, tendemos a nos enganar, o que significa que, absurdamente, tais conversas ainda estão sendo realizadas hoje. De um fracasso a outro, nossa questão tornou-se tão fútil quanto as negociações dos palestinos com a entidade colonizadora.

O mundo mudou, mas nos recusamos a vê-lo; recusámo-nos a reconhecer esta mudança até para nós próprios, e era natural que os países também mudassem, tal como a Etiópia. Adis Abeba costumava reclamar da influência política e econômica apoiada pelas relações internacionais e regionais que deram ao Egito a vantagem na Bacia do Nilo e impediram a construção da Barragem Renascença. A situação agora está em grande parte invertida, com o capital internacional sendo despejado na Etiópia, que aproveitou a oportunidade para construir a barragem, apesar da oposição dos países ribeirinhos. O Egito e o Sudão acham que perderão sua parcela de água do Nilo, com danos incalculáveis ​​para seu povo e economia.

O Ministério das Relações Exteriores da Etiópia disse recentemente que 79 por cento da barragem já foi construída. A primeira fase de enchimento do reservatório atrás da barragem começou em agosto passado, durante uma das rodadas aparentemente intermináveis ​​de negociações com o Sudão e o Egito. Addis Abeba insiste em um tom surpreendentemente desafiador, que a segunda fase será realizada conforme programado em julho.

“Nenhuma força na terra nos impedirá de construir e encher nossa barragem”, declarou a Etiópia. “Temos o direito de construí-lo e não podemos entrar em um acordo que nos privaria de nossos direitos atuais e inevitavelmente legítimos de uso do rio Nilo”.

LEIA: A Etiópia deve levar em consideração os direitos à água do Nilo dos países a jusante

Estas não são declarações vazias para o consumo da mídia local na guerra de palavras em que o Egito afirma que “As águas do Nilo são uma linha vermelha” e “Todas as opções são possíveis”. Eles revelam a confiança da Etiópia em sua posição, sabendo que tem o apoio de potências internacionais e regionais para que concluam a construção da barragem.

Não é difícil adivinhar quais poderes são; basta olhar para o tamanho dos investimentos feitos, por exemplo, pela China em projetos relacionados à barragem. De acordo com agências de notícias internacionais, a China concordou em um empréstimo de US $ 1,2 bilhão em 2013 para financiar o fornecimento de hidroeletricidade da barragem para as principais cidades da Etiópia, e outro empréstimo de US $ 1,8 bilhão foi adiantado em 2019 para comprar as turbinas necessárias para a barragem .

Os EUA, por sua vez, estão tentando competir com a influência chinesa e impulsionaram a economia etíope ao dar luz verde para o Fundo Monetário Internacional (FMI) emprestar à Etiópia US $ 2,9 bilhões em 2019, apesar do fato de que uma decisão internacional foi emitida para impedir financiamento da barragem em 2014 à luz da disputa em curso. No entanto, depois que o Egito assinou o Documento de Cartum de 2015 – cujos termos ainda não são conhecidos – o financiamento internacional choveu e os EUA decidiram em março do ano passado investir mais US$ 5 bilhões no projeto.

Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita não hesitaram em se envolver. Abu Dhabi ofereceu à Etiópia depósitos e investimentos no valor de US$ 3 bilhões em junho de 2018 e patrocinou o acordo de reconciliação entre a Etiópia e a Eritreia, que viu o primeiro-ministro Abiy Ahmed se tornar um ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 2019.

Luta sem fim entre Egito,Etiópia e Sudão pela Barragem Renascença. Charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

A questão agora é o que o Cairo fará a respeito desse perigoso desafio que enfrenta nos principais países, que considera seus amigos e aliados, mas que estão ao lado da Etiópia em um projeto que privará o Egito de mais de 20 por cento de sua parcela de água do Nilo. Nenhum país está pronto para realmente exercer pressão sobre Adis Abeba para fazer concessões e resolver o conflito com o Cairo.

Além disso, um ex-ministro da Irrigação e Recursos Hídricos fez uma revelação chocante. “O Egito não atrapalhou a construção da Barragem Renascença”, disse o Dr. Mohamed Nasr El-Din Allam. “O Egito concordou e assinou abertamente a Declaração de Princípios em março de 2015, e não se opôs ao tamanho do armazenamento ou ao fato de que a quantidade armazenada será retirada da parte do Egito.”

O Nilo foi “negus” por milhares de anos; O Egito amou e amou o Egito, mas o amor por si só não é suficiente. Nossos ancestrais respeitaram, glorificaram e lutaram pelo rio, mas será que os netos que jogam seus resíduos e esgoto no grande rio vão lutar por ele? O Nilo ainda é rei no Egito? Só Deus sabe.

LEIA: Irã propõe rota alternativa ao Canal de Suez

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoÁsia & AméricasEgitoEtiópiaEUAOpiniãoSudão
Show Comments
Show Comments