Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os EUA defendem imunidade do ex-primeiro-ministro egípcio em meio a processo de tortura de Soltan

O ex-primeiro-ministro do Egito, Hazem El-Beblawi, no Cairo, em 24 de fevereiro de 2014. [AFP/Getty Images]
O ex-primeiro-ministro do Egito, Hazem El-Beblawi, no Cairo, em 24 de fevereiro de 2014. [AFP/Getty Images]

O governo Biden manteve a imunidade do ex-primeiro-ministro egípcio Hazem Beblawi, o que gerou uma onda de críticas de legisladores democratas e ativistas de direitos humanos.

“Essa tentativa de isolar um torturador da responsabilidade nos tribunais dos EUA é um cheque em branco para o ditador do Egito e totalmente antitético aos compromissos declarados do governo Biden com uma política externa centrada nos direitos humanos”, escreveu o ex-prisioneiro político egípcio Mohamed Soltan em um comunicado compartilhado no Twitter.

No ano passado, Soltan abriu um processo em Washington DC contra Beblawi por supervisionar a tortura a que foi submetido enquanto estava em uma prisão egípcia.

Soltan foi baleado, detido e encarcerado no momento do massacre de Rabaa, no Egito, em agosto de 2013.

As forças de segurança o detiveram e o condenaram em um julgamento em massa por “espalhar notícias falsas” e “perturbar a segurança nacional”.

Soltan diz que foi alvo de abusos particularmente duros porque falou sobre os massacres de Rabba e Al-Nahda Square em 2013, porque tinha cidadania americana e porque seu pai era vice-ministro do governo Mohamed Morsi.

Na prisão, ele foi queimado com cigarros e espancado até quebrar as costelas. Os guardas o incitaram e o encorajaram a cometer suicídio.

LEIA: Vídeo exorta libertação de Ola Qaradawi no Egito

“Beblawi não é apenas responsável por minha prisão e tortura, mas também por ratificar a lei de protesto draconiana do Egito usada para aprisionar dezenas de milhares de egípcios inocentes.”

“Essa mesma lei levou à condenação do cidadão americano Mustafa Kassem a 15 anos de prisão, onde morreu”, escreveu ele no comunicado.

Depois que Soltan entrou com o processo em junho, cinco de seus primos desapareceram à força, embora já tenham sido libertados. As autoridades egípcias prenderam seis de seus parentes em fevereiro.

O paradeiro de seu pai, que estava detido na mesma prisão que seu filho, é desconhecido há mais de nove meses.

Apesar disso, na última quinta-feira, o Departamento de Justiça apresentou uma declaração formal pedindo a um tribunal federal que rejeitasse o caso de Soltan porque Beblawi tinha imunidade diplomática no momento em que o processo começou.

Biden notoriamente prometeu não mais cheques em branco para o ditador favorito de Trump, Abdel Fattah Al-Sisi, embora tenha recebido críticas generalizadas quando em fevereiro seu governo autorizou a venda de US$ 200 milhões em armas ao Egito.

No comunicado, Soltan disse estar “profundamente desapontado com a tentativa do Departamento de Estado de imunizar um torturador com uma história de orquestrar violações em massa dos direitos humanos”.

“Isso tem implicações na vida real da minha família”, ele continuou. “Colocou ainda mais em risco minha vida aqui nos Estados Unidos e a vida e o bem-estar de minha família no Egito.”

LEIA: Adolescente de 15 anos tenta suicídio nas cadeias do Egito

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasEgitoEUANotícia
Show Comments
Show Comments