Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Egito adiciona 51 dissidentes à sua lista de acusados de terrorismos

Presidente egípcio Abdel Fattal Al-Sisi em Sochi, Rússia em 24 de outubro de 2019 [Mikhail Svetlov / Getty Images]
Presidente egípcio Abdel Fattal Al-Sisi em Sochi, Rússia em 24 de outubro de 2019 [Mikhail Svetlov / Getty Images]

O governo egípcio publicou ontem os nomes de mais 51 pessoas que foram adicionadas à sua lista de terroristas.

Era Sisi - Cartoon [Carlos Latuff / Monitor do Oriente Médio]

Era Sisi – Cartoon [Carlos Latuff / Monitor do Oriente Médio]

Em março de 2020, o presidente Abdel Fattah Al-Sisi aprovou emendas à lei de entidades terroristas, aprovadas em 2015, para permitir ao Estado expandir medidas como confiscos e congelamento de bens daqueles listados como terroristas.

Ao terem seus nomes adicionados às listas de terroristas, as 51 pessoas são automaticamente proibidas de viajar e seus bens são confiscados pelo Estado.

Desde que Al-Sisi, o então chefe militar, liderou um golpe que derrubou o falecido presidente Mohamed Morsi em 2013, o governo lançou uma repressão sem precedentes contra dissidentes que viu dezenas de milhares de detidos ou desaparecidos à força. O governo também rotulou o grupo da Irmandade Muçulmana, do qual Morsi se destacou, como uma organização terrorista e acusou-o de tramar os ataques militantes que ocorreram principalmente na Península do Sinai, na região nordeste do país. A Irmandade nega as acusações.

LEIA: Ativista que exortou liberdade a presos em meio à pandemia é condenada no Egito

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments