Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os EUA clamam por ‘tratamento igual’ para palestinos e israelenses, dentro do compromisso desigual de dois Estados

O presidente dos EUA, Joe Biden, na elipse perto da Casa Branca em Washington, DC, EUA, em 5 de abril de 2021. [Michael Reynolds/EPA/Bloomberg via Getty Images]
O presidente dos EUA, Joe Biden, na elipse perto da Casa Branca em Washington, DC, EUA, em 5 de abril de 2021. [Michael Reynolds/EPA/Bloomberg via Getty Images]

O presidente dos EUA, Joe Biden, pode estar devolvendo o país ao paradigma dos dois estados, mas as desigualdades entre israelenses e palestinos estão se tornando mais proeminentes a cada declaração proferida por autoridades.

Quando os EUA falam do compromisso de dois estados, o fazem com total reconhecimento do fato de que não reverterá todas as políticas do governo Trump. Não haverá realocação da embaixada dos EUA, e os EUA ainda se opõem às investigações de crimes de guerra pelo Tribunal Penal Internacional (TPI), embora Biden tenha levantado as sanções impostas aos funcionários do tribunal. Os acordos de Abraham continuarão a desempenhar um papel importante também na diplomacia dos Estados Unidos.

Trump sanciona TPI para proteger Israel. [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Todas as concessões indicam que os EUA estão apoiando ainda mais a erosão dos direitos palestinos. Não importa o quanto o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, peça tratamento igual para os palestinos, como disse ao ministro das Relações Exteriores de Israel, Gabi Ashkenazi, durante um recente telefonema.

O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, afirmou que Blinken “enfatizou a crença do governo de que israelenses e palestinos deveriam desfrutar de medidas iguais de liberdade, segurança, prosperidade e democracia”. Tudo dentro do contexto do compromisso de dois estados, é claro, que nunca foi sobre direitos iguais, mas sim conceber a impunidade para a expansão colonial de Israel.

Longe das contradições de Blinken, o Departamento de Estado dos EUA está oferecendo mais pistas sobre o que Biden está buscando alcançar em termos de dar continuidade às políticas do ex-presidente Donald Trump. Durante o briefing do departamento ontem, Prince se recusou a se comprometer se o paradigma de dois estados incluiria Jerusalém Oriental como a capital do estado palestino.

LEIA: Estados Unidos suspendem sanções contra Haia

“Não houve mudança em nossa posição em Jerusalém – e, claro, Jerusalém é uma questão de status final que deve ser negociada pelas duas partes”, respondeu Price, em resposta às perguntas do repórter da Associated Press Matt Lee para esclarecer a posição dos EUA sobre Jerusalém.

A declaração de Price é ambígua, recusando-se a esclarecer qual “posição” permanece inalterada, embora seja mais provável que Biden mantenha a designação de Trump, dada a recusa em realocar a embaixada dos EUA em Tel Aviv.

Os EUA também não se comprometeram a restaurar o financiamento da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA), embora recentemente US$ 15 milhões tenham sido prometidos como ajuda aos palestinos à covid-19.

Se os EUA ainda estão vacilando sobre sua política em relação ao povo palestino, que medida de igualdade eles esperam que Israel sirva? A política de dois estados não oferece nada em termos de igualdade – eles não clamam por uma reversão da colonização e os palestinos ainda eram discutidos a partir do paradigma humanitário. Muito menos uma hipótese de dois estados que agora está ainda mais desfigurada pelas concessões de Trump, que a administração Biden detesta reverter em sua totalidade.

Só porque os EUA estão de volta aos parâmetros do consenso internacional quando se trata de diplomacia retórica, isso não significa que o governo Biden esteja favorecendo qualquer aparência de igualdade. Os dois estados, obsoletos como estão, ainda retêm vestígios de corrupção suficientes que determinam a supremacia colonial de Israel. No entanto, a Autoridade Palestina ainda não tem nada a dizer além de instar os EUA e a comunidade internacional a persistir em sabotar ainda mais qualquer chance de independência palestina.

LEIA: AP pede que o Quarteto pressione Israel para permitir eleições em Jerusalém

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
BlogBlogs - PoliticsEstados UnidosIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments