Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Irã condena ‘repressão severa’ de protestos pela polícia no Reino Unido

Um manifestante é detido pela polícia após bloquear os trilhos do bonde durante um protesto “Kill the Bill” no Manchester City Centre, em 27 de março de 2021, em Manchester, Reino Unido. [Christopher Furlong/Getty Images]
Um manifestante é detido pela polícia após bloquear os trilhos do bonde durante o protesto “Kill the Bill” (mate o projeto de lei) no Manchester City Centre, em 27 de março de 2021, em Manchester, Reino Unido. [Christopher Furlong/Getty Images]

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Saeed Khatibzadeh, criticou a recente repressão aos protestos da polícia britânica em Bristol e pediu uma investigação séria por grupos de direitos humanos.

“Esperamos que os recentes incidentes na Grã-Bretanha, que resultaram na severa repressão dos manifestantes pela polícia, não sejam ignorados pelos defensores dos direitos humanos, incluindo as autoridades britânicas”, disse Khatibzadeh ontem. “Sempre vimos comentários intervencionistas de oficiais britânicos sobre o comportamento da polícia em relação aos manifestantes em outros países, mas agora é a vez de eles mostrarem como se preocupam genuinamente com os direitos primários de seu próprio povo e com a violência policial excessiva.”

LEIA: Ativista da Anistia continua banido de viajar por restrição de Israel

Bristol testemunhou uma semana de agitação, com milhares de manifestantes se reunindo no centro da cidade para protestar contra a Lei de Polícia, Crime, Penas e Tribunais, que o Partido Trabalhista de oposição argumentou que poderia levar a penas mais graves por danificar uma estátua do que atacar uma mulher.

Muitas pessoas recorreram às redes sociais para destacar o que consideram casos de violência policial contra os manifestantes. Na sexta-feira à noite, houve dez prisões enquanto a tropa de choque foi vista jogando pessoas no chão com seus escudos.

Um fotojornalista do Daily Mirror descreveu ter sido agredido pela polícia. “O policial empurrou um manifestante para perto de mim”, explicou Christopher Walls. “Quando eu estava voltando, ele me bateu com o bastão. Ele bateu no meu braço e na câmera e quebrou o flash.”

No entanto, um chefe de polícia defendeu o uso da força contra os manifestantes, argumentando que os policiais enfrentaram cenas “horríveis”. A superintendente-chefe Claire Ames, chefe de suporte operacional da Avon e da Polícia de Somerset, disse à BBC Radio 5 Live ontem de manhã que: “A situação na noite de domingo na semana passada foi horrível na Delegacia de Polícia de Bridewell e ninguém quer repetir isso. Eu não quero que ninguém se machuque e não posso recuar e permitir que os policiais joguem tijolos, garrafas e fiquem sujeitos a um nível de violência inaceitável.”

A mesma força policial retirou discretamente a alegação de que dois policiais tiveram ossos quebrados durante o protesto – apelidado de “Kill the Bill” – no último domingo.

No sábado, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson ofereceu à cidade e à sua polícia “total apoio” e descreveu os ataques a policiais como “vergonhosos”.

LEIA: Irã propõe rota alternativa ao Canal de Suez

Categorias
Europa & RússiaIrãNotíciaOriente MédioReino Unido
Show Comments
Show Comments