Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Maioria das crianças sírias refugiadas não voltaria, revela relatório

Crianças sírias são vistas em um campo de refugiados em Beirute, Líbano, em 21 de março de 2017. [Ratib Al Safadi/Anadolu Agency]
Crianças sírias são vistas em um campo de refugiados em Beirute, Líbano, em 21 de março de 2017. [Ratib Al Safadi/Anadolu Agency]

A maioria das crianças deslocadas pela guerra civil em curso na Síria não consegue se imaginar voltando para seu país de origem, revelou um relatório publicado pela Save the Children. “Anywhere but Syria” foi lançado pela ONG hoje.

Os compiladores do relatório falaram para 1.900 crianças sírias deslocadas na Jordânia, Líbano, Turquia, Holanda e áreas da Síria controladas pela oposição. Oitenta e seis por cento delas disseram que não voltariam para a Síria e não podem imaginar um futuro lá, enquanto um terço disse que preferiria viver em outro país. Apenas 29% das crianças no Líbano, 3% na Turquia e 9% na Jordânia e na Holanda disseram que voltariam para a Síria.

Uma menina de sete anos chamada Lara mora em um acampamento em Maarat Al-Numan, na província síria de Idlib, controlada pelos rebeldes. Ela disse à instituição de caridade: “Desejo viver em qualquer país que não seja a Síria, onde seja seguro e haja escolas e brinquedos […] Não é seguro aqui, o som dos cães me assusta e a tenda não é segura”.

LEIA: Israel acusa mulher que cruzou para a Síria ilegalmente

Outra garota chamada Nada, que tem 17 anos e mora no distrito de Akkar, no norte do Líbano, disse: “Não quero voltar para lá. Não quero voltar e morar na Síria novamente”. Ela acrescentou que também não quer ficar no Líbano. “Não importa aonde eu vá, porém, se formos para a escola, eles nos intimidam e dizem que não nos querem.”

De acordo com o relatório, a educação é um fator importante na decisão das crianças sobre onde gostariam de morar. O Líbano, especialmente, foi considerado um dos países anfitriões mais difíceis, pois está dominado por uma crise econômica e instabilidade política.

Na Jordânia, é relatado que 36% das crianças refugiadas não estão matriculadas em nenhum sistema de educação formal ou informal e cerca de 80% dos refugiados no país vivem abaixo da linha da pobreza. Os refugiados sírios na Holanda estão se saindo muito melhor, com 70% das crianças sírias vendo um “futuro positivo” lá.

“Três tópicos principais emergiram como contribuintes para a experiência de segurança psicossocial para crianças sírias que crescem em deslocamento: acesso a oportunidades futuras significativas; um senso de conexão; e agência na tomada de decisões”, concluiu o relatório. “As crianças têm o direito de crescer em um ambiente em que sejam livres do medo constante por sua segurança, não sejam forçadas a viver deslocadas e com medo de um maior desenraizamento e não sejam mais discriminadas simplesmente por causa de onde vêm.”

A Save the Children apelou aos governos e países anfitriões para aumentar as oportunidades de reassentamento em terceiros países para os refugiados com necessidade de proteção urgente. Ele apelou a “todas as partes interessadas” para proteger as crianças sírias da violência física e psicológica.

LEIA: Mais de 282.000 deslocados voltam para casa na Síria após o cessar-fogo de Idlib

Categorias
NotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioSave the ChildrenSíria
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments