Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Cinco ficam feridos em Bagdá após protesto antes da visita do Papa ao Iraque

Um membro das forças iraquianas está ao lado de um pôster retratando uma imagem do Papa Francisco na Igreja Católica Siríaca de Nossa Senhora da Libertação, no distrito de Karrada, capital do Iraque, Bagdá, em 1º de março de 2021, em meio aos preparativos para a visita do pontífice. [Sabah Arar/AFP via Getty Images]
Um membro das forças iraquianas está ao lado de um pôster retratando uma imagem do Papa Francisco na Igreja Católica Siríaca de Nossa Senhora da Libertação, no distrito de Karrada, capital do Iraque, Bagdá, em 1º de março de 2021, em meio aos preparativos para a visita do pontífice. [Sabah Arar/AFP via Getty Images]

Pelo menos cinco pessoas ficaram feridas na segunda-feira, quando as forças de segurança iraquianas armadas com tacos interromperam um protesto de rua na praça Tahrir, no centro de Bagdá, disseram fontes de segurança e hospitais, relatou a Reuters.

O Papa Francisco planeja uma visita ao Iraque de 5 a 8 de março, apesar da deterioração da segurança em algumas partes do país, que assistiu ao primeiro grande atentado suicida em Bagdá em três anos.

Dezenas protestaram na Praça Tahrir em reação à violência da força de segurança contra os manifestantes na cidade de Nassiriya, no sul do país, que deixou pelo menos oito manifestantes mortos e cerca de 250 feridos.

Um oficial de segurança que falou sob condição de anonimato disse que os manifestantes em Tahrir não chegavam a 60 e foram dispersos em meia hora.

LEIA: Iraque quer encerrar protestos antes da visita do papa

Várias centenas de pessoas também se reuniram na cidade portuária de Basra na segunda-feira em solidariedade aos manifestantes de Nassiriya, de acordo com uma testemunha da Reuters.

Os confrontos de rua em Nassiriya eclodiram em 2 de fevereiro e continuaram por cerca de uma semana enquanto as forças de segurança disparavam para dispersar os manifestantes que tentavam invadir o prédio do governo provincial usando pedras e coquetéis molotov.

Os manifestantes exigiam a remoção do governador e justiça pelos assassinatos de manifestantes desde que uma onda de agitação popular sobre a corrupção endêmica do estado, serviços públicos precários e alto desemprego começou em 2019.

Mais tarde, na sexta-feira, o governador regional de Nassiriya deixou o cargo e o primeiro-ministro, Mustafa al-Kadhimi, nomeou um sucessor e formou um comitê para investigar as mortes.

Os manifestantes de Nassiriya suspenderam no domingo as manifestações por 72 horas para dar ao governo a chance de atender às suas demandas, incluindo investigações de membros das forças de segurança que atiraram em manifestantes e processo contra o ex-governador.

Categorias
IraqueNotíciaOriente MédioVaticano
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments