Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Biden revisará a designação de Houthi como terrorista e restringirá o apoio à coalizão saudita

Lutadores Houthi no Iêmen, 2 de outubro de 2017. [The Baghdad Post/Twitter]
Lutadores Houthi no Iêmen, 2 de outubro de 2017. [The Baghdad Post/Twitter]

O governo do novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, planeja revisar a recente designação do movimento Houthi do Iêmen como um grupo “terrorista”. Também se espera que acabe com o apoio à coalizão liderada pelos sauditas à medida que a devastadora guerra do Iêmen se aproxima do final de seu sexto ano.

De acordo com o nomeado de Biden para secretário de Estado, Antony Blinken, a nova administração irá “imediatamente” rever a designação que entrou em vigor na terça-feira (19) como um dos tiros de despedida do presidente cessante Donald Trump. Isso incluiu novas sanções ao Irã, Cuba e China, anunciados pelo agora ex-secretário de Estado Mike Pompeo.

“Pelo menos na superfície, [a designação] parece não conseguir nada de particularmente prático para fazer avançar os esforços contra os Houthis e trazê-los de volta à mesa de negociações, tornando ainda mais difícil do que já é fornecer assistência humanitária às pessoas que preciso desesperadamente”, disse Blinken ao Comitê de Relações Exteriores do Senado.

LEIA: Grupo separatista do Iêmen rejeita indicações do presidente, ameaça escalar

Os Estados Unidos forneceram ao esforço de guerra saudita inteligência e apoio logístico desde 2015, o que levou o Iêmen a enfrentar a pior crise humanitária do mundo, segundo a ONU.

Apesar de o Senado ter aprovado um projeto de lei em 2019 para encerrar o apoio dos EUA à coalizão, Trump vetou os esforços para conter o apoio aos sauditas. No mês passado, foi relatado que o Departamento de Estado aprovou a venda de munições no valor de US $ 290 milhões para a Arábia Saudita, o que os críticos disseram ter sido uma decisão precipitada nos últimos dias do governo Trump.

No entanto, há sinais de que este apoio lucrativo a Riade pode terminar assim que Biden se tornar o 46º presidente dos EUA hoje. “Os houthis têm uma responsabilidade significativa pelo que aconteceu no Iêmen”, explicou Blinken, “mas a maneira como a campanha [da coalizão liderada pelos sauditas] foi conduzida também contribuiu significativamente para essa situação. E, portanto, nosso apoio deve terminar”.

LEIA: Oxfam condena venda de armas para países que alimentam a guerra no Iêmen

Categorias
Ásia & AméricasEUAIêmenNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments