Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Delegação dos Emirados intervém para reativar negociações da Barragem Renascença

Uma visão geral do rio Nilo Azul enquanto ele passa pela Grande Barragem da Renascença Etíope, em 26 de dezembro de 2019. [Eduardo Soteras/AFP via Getty Images]
Uma visão geral do rio Nilo Azul enquanto ele passa pela Grande Barragem da Renascença Etíope, em 26 de dezembro de 2019. [Eduardo Soteras/AFP via Getty Images]

A Agência Oficial de Notícias do Sudão (SUNA) anunciou na quarta-feira (13) que uma delegação do Ministério das Relações Exteriores dos Emirados Árabes concluiu uma visita de um dia a Cartum, como parte dos novos esforços feitos por Abu Dhabi para reativar o renascimento estagnado Negociações de barragens entre Sudão, Etiópia e Egito.

O SUNA informou que os esforços iniciados por Abu Dhabi não foram a pedido de Cartum. Isso ocorre em um momento em que Cartum intensificou sua postura acerca da Adis Abeba em relação ao arquivo da Barragem Renascentista, que coincidiu com a recente tensão militar prevalecente nas fronteiras compartilhadas pelos dois países.

A agência de notícias citou uma fonte informada, que falou sob condição de anonimato, afirmando que a delegação dos Emirados se reuniu com funcionários do Ministério das Relações Exteriores e do Ministério de Irrigação e Recursos Hídricos, e ouviu de funcionários uma explicação detalhada da posição de Cartum sobre o Arquivo da Barragem da Renascença.

Luta sem fim entre Egito/Etiópia e Sudão pela Barragem Renascentista. [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Luta sem fim entre Egito/Etiópia e Sudão pela Barragem Renascentista. [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Na terça-feira (12), o Ministério das Relações Exteriores do Sudão apresentou novas condições para o retorno às negociações da Barragem do Renascimento com a Etiópia e o Egito, ao sugerir a possibilidade de recorrer a outras opções no futuro.

O ministro das Relações Exteriores sudanês, Omar Gamar Eddine Ismail, não explicou a natureza das condições de seu país para retornar à mesa de negociações, mas confirmou que a proposta era: “Apresentada ao Estado da África do Sul como chefe da atual sessão da Assembleia da União Africana, com o objetivo de realizar palestras significativas sobre o assunto. ”

O Ministro Gamar Eddine Ismail manifestou esperança de que: “A nova sessão da Assembleia da União Africana, marcada para fevereiro próximo, apresentará outra oportunidade para alcançar as aspirações do Sudão, caso contrário Cartum recorrerá a outras opções em relação a esse dossiê”.

Isso ocorre depois que o ministério de Relações Exteriores sudanês anunciou no domingo que as partes negociadoras não conseguiram chegar a uma fórmula aceitável para continuar as discussões sobre a Barragem Renascentista, frisando que Cartum não daria continuidade às negociações, em um momento em que a chanceler sul-africana lamentou que as negociações da Barragem do Renascimento chegaram a “um beco sem saída”.

Isso ocorreu imediatamente após o fim de uma reunião de seis partes entre Egito, Sudão e Etiópia para discutir as regras para encher e operar a Grande Barragem da Renascença Etíope, com a presença dos ministros das Relações Exteriores e dos ministros da Irrigação dos três países via videoconferência.

O ministro de Irrigação sudanês, Yasser Abbas, anunciou em um comunicado após a sessão: “Não podemos continuar esse círculo vicioso de discussões sobre a Barragem Renascença indefinidamente”, enfatizando que as “negociações de domingo sobre a Barragem Renascença falharam”.

No mesmo contexto, o Ministério das Relações Exteriores egípcio confirmou no domingo: “A reunião sobre os arquivos da Barragem Renascentista não conseguiu avançar devido a divergências sobre como retomar as negociações”.

A declaração também reiterou a posição de Cairo: “Prontidão para negociações eficazes para chegar a um acordo vinculante sobre as regras para enchimento e operação da Barragem Renascentista”.

O governo etíope declarou: “O Sudão rejeitou uma proposta da União Africana de realizar uma reunião com especialistas”, prometendo “fornecer soluções para as preocupações do Sudão sobre a segurança das barragens, intercâmbio de dados e outras questões técnicas”.

Os três países estão envolvidos em negociações paralisadas sobre a barragem nos últimos nove anos, em meio a acusações mútuas entre Cairo e Adis Abeba de intransigência e tentativa de impor soluções irrealistas.

LEIA: Sudão diz ter prova de que Etiópia reconhece suas fronteiras

Adis Abeba insiste em encher a barragem mesmo que não chegue a um acordo com Cairo e Cartum, enquanto os países a jusante exigem a conclusão de um acordo tripartido primeiro, a fim de garantir que sua parcela anual de água do Nilo não seja afetada.

As hesitantes negociações coincidiram com tensões militares na fronteira entre o Sudão e a Etiópia depois que o Ministério de Relações Exteriores do Sudão revelou na quarta-feira que um avião militar etíope cruzou a fronteira entre a Etiópia e o Sudão “em uma escalada perigosa e injustificada”.

A tensão na fronteira é o resultado de um conflito de décadas sobre a região de Al-Fashqa, uma terra dentro das fronteiras internacionais do Sudão que foi habitada por agricultores da Etiópia. No entanto, eclodiram confrontos na área entre as forças dos dois países no final do ano passado, continuando por semanas.

Categorias
ÁfricaEgitoEmirados Árabes UnidosEtiópiaNotíciaOriente MédioSudão
Show Comments
Show Comments