Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O caminho da Tunísia para a democracia

Mohammed Bouazizi [Youtube, MEMO]
Mohammed Bouazizi [Youtube, MEMO]

Em 14 de janeiro de 2011, o presidente que governou a Tunísia por 23 anos, Zine El Abidine Ben Ali, foi forçado a renunciar depois que protestos em massa estouraram no país em reação à auto-imolação de Mohammed Bouazizi.

O ato de desespero do jovem vendedor de frutas que havia sido insultado por uma policial local que confiscou seu carrinho de frutas causou um choque na Tunísia e no mundo árabe.

A revolta tunisiana, apelidada de Revolução de Jasmim, espalhou-se como um incêndio e milhões em países árabes vizinhos se revoltaram contra seus ditadores de longa data, dando origem ao que ficou conhecido como a Primavera Árabe.

Após a queda de Ben Ali, houve três governos provisórios antes das primeiras eleições democráticas em 23 de outubro de 2011 para a Assembleia Constituinte, levando à formação do primeiro governo democrático da Tunísia que nomeou o veterano político tunisiano Moncef Marzouki como presidente.

Em 2014, a Tunísia aprovou uma nova constituição. Em outubro do mesmo ano, realizaram-se as primeiras eleições parlamentares democráticas, seguidas das primeiras eleições presidenciais em novembro. Beji Caid Essebsi venceu a eleição, com 55,68 por cento dos votos do segundo turno.

LEIA: A Revolução tunisiana de Jasmim

A Tunísia foi saudada como a única história de sucesso da Primavera Árabe e vista como um modelo de progresso democrático. Embora a transição do país para a democracia seja considerada relativamente tranquila e pacífica com uma nova constituição, eleições livres e mídia tunisiana com maior liberdade do que nunca, os tunisianos ainda estão profundamente preocupados com a instabilidade política do país, economia em ruínas e falta de seguridade social e emprego oportunidades.

No curso de dez anos desde a revolução, o país passou por três presidentes e mais de dez governos, pois muitos tunisianos acham que as sucessivas administrações não conseguiram dirigir o país e fornecer soluções para questões econômicas e sociais profundas.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaNeste diaOpiniãoTunísia
Show Comments
Show Comments