Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

EUA retiram diplomatas de Bagdá

Soldados dos EUA na Base Militar de Taji em Bagdá, Iraque em 23 de agosto de 2020 [Agência Murtadha Al-Sudani / Anadolu]
Soldados dos EUA na Base Militar de Taji em Bagdá, Iraque em 23 de agosto de 2020 [Agência Murtadha Al-Sudani / Anadolu]

Preocupações com a segurança forçaram os EUA a retirar alguns de seus funcionários da embaixada na capital do Iraque, Bagdá, informou à AFP um oficial iraquiano . A fortificada Zona Verde de Bagdá, que hospeda a embaixada americana e outras missões diplomáticas estrangeiras, foi várias vezes alvo de foguetes desde a morte do general iraniano Qassem Soleimani, em um ataque de drones nos Estados Unidos, em janeiro.

Um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA não quis comentar a retirada, mas disse que a segurança das autoridades, cidadãos e instalações dos EUA no Iraque “continua sendo nossa maior prioridade”, informou a AFP. O embaixador dos EUA, Matthew Tueller, continua no Iraque, segundo o porta-voz, e a embaixada continua operando.

A tensão na região aumentou mais uma vez na semana passada após o assassinato do principal cientista nuclear do Irã, Mohsen Fakhrizadeh, perto de Teerã. Uma autoridade americana disse que Israel está por trás do assassinato, segundo a CNN. Um alto funcionário israelense, que falou sob condição de anonimato, disse que o mundo deveria agradecer ao Estado de ocupação por matar o importante cientista.

LEIA: Embaixada dos EUA em Bagdá alvo de foguetes após anúncio de retirada das tropas

Categorias
Ásia & AméricasIraqueNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments