Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

‘O mundo deveria nos agradecer por matar o cientista iraniano’, regozija-se agente de Israel

Agente envolvido no rastreamento do homem de 59 anos que acabaria assassinado em uma rota que fazia para visitar sua família, afirmou que Israel continuará a agir contra o Irã, quando decidir.

O mundo deveria agradecer a Israel por matar o proeminente cientista iraniano Mohsen Fakhrizadeh, gabou-se um alto funcionário do estado sionista em uma entrevista concedida em condição de anonimado ao New York Times.

O agente envolvido no rastreamento do homem de 59 anos que acabaria morto a tiros em uma rota para visitar sua família prometeu que Israel continuará a agir contra a República Islâmica conforme achar apropriado.

Israel até agora se recusou a comentar sobre o assassinato, que foi recebido com indignação e condenação. Os comentários do oficial israelense anônimo ao Times são o mais próximo que o estado de ocupação chegou de admitir o assassinato.

Vangloriando-se do que muitos denunciaram o crime como um ato de “terrorismo de Estado”, o oficial israelense disse que as aspirações do Irã por armas nucleares, promovidas por Fakhrizadeh, representavam uma ameaça tão grande que o mundo deveria agradecer ao estado sionista.

LEIA: Irã promete ‘dura vingança contra ‘assassinos de cientistas”

Nem mesmo os aliados de Israel estão acreditando nessa narrativa e, em vez disso, o assassinato foi recebido com desprezo. “Este foi um ato criminoso e altamente imprudente”, disse o ex-diretor da CIA John Brennan em um tweet que sugerindo o envolvimento do presidente Donald Trump. “Há o risco de retaliação letal e uma nova rodada de conflito regional. Os líderes do Irã precisam aguardar o retorno da liderança americana responsável pelo cenário global e resistir ao impulso de responder contra os que considera culpados”, disse.

Brennan passou a sugerir que a morte de Fakhrizadeh foi um ato de terrorismo. “Não sei se um governo estrangeiro autorizou ou executou o assassinato de Fakhrizadeh”, tuitou Brennan. “Tal ato de terrorismo patrocinado pelo Estado seria uma violação flagrante do direito internacional e encorajaria mais governos a realizar ataques letais contra autoridades estrangeiras.”

Ciente de que seus comentários o expuseram à acusação de hipocrisia, já quie Brennan, que sob o governo do presidente Barack Obama, acelerou a política de assassinato dos EUA, ele explicou que matar cientistas “é muito diferente de ataques contra líderes terroristas e membros de grupos como Al Qaeda e Estado Islâmico, que não são Estados soberanos ”. De acordo com Brennan, “os combatentes ilegítimos, segundo o direito internacional, eles podem ser alvos para impedir ataques terroristas mortais”.

Categorias
Ásia & AméricasEUAIrãIsraelNotíciaOriente MédioVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments