Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

ONU e vários países denunciam prisões de ativistas egípcios

Ravina Shamdasani, porta-voz do Escritório da ONU do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (OHCHR) visto em 11 de maio de 2018 em Genebra, Suíça [screengrab / UNifeed]
Ravina Shamdasani, porta-voz do Escritório da ONU do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (OHCHR) visto em 11 de maio de 2018 em Genebra, Suíça [screengrab / UNifeed]

O escritório de direitos humanos da ONU, os Estados Unidos e vários países europeus criticaram na sexta-feira a prisão de três membros de um importante grupo de direitos humanos egípcio após uma reunião com diplomatas no Cairo.

Na semana passada, as forças de segurança detiveram três funcionários, incluindo o diretor da Iniciativa Egípcia pelos Direitos Pessoais (EIPR), depois que 13 diplomatas sênior visitaram o grupo para uma reunião sobre direitos humanos em 3 de novembro.

O EIPR disse que os três foram detidos por 15 dias sob a acusação de ingressar em um grupo terrorista e espalhar notícias falsas, no que os críticos consideram a mais recente escalada de uma repressão sem precedentes à sociedade civil e à dissidência política.

O governo do Egito disse que o EIPR estava operando ilegalmente.

“Estamos muito preocupados com o fato de que o ataque a defensores dos direitos humanos e outros ativistas, bem como outras restrições à liberdade de expressão, associação e reunião pacífica impostas no país, estejam tendo um profundo efeito assustador sobre a já enfraquecida sociedade civil egípcia”, afirmou. Ravina Shamdasani, do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, disse em uma entrevista coletiva em Genebra.

Vários países europeus cujos diplomatas participaram da reunião de 3 de novembro criticaram as prisões em declarações e no Twitter.

LEIA: Egito executou 49 pessoas em dez dias, denuncia HRW

Bärbel Kofler, comissária de direitos humanos do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha, disse que estava “chocada” com as prisões.

“Condeno esta escalada na forma de lidar com a sociedade civil egípcia nos termos mais fortes”, disse ela em um comunicado.

Um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA disse que Washington estava “muito preocupado” com a última detenção, a do Diretor Executivo da EIPR, Gasser Abdel Razek.

Antony Blinken, conselheiro de política externa do presidente eleito dos Estados Unidos Joe Biden, tuitou: “Reunir-se com diplomatas estrangeiros não é um crime. Nem é uma defesa pacífica dos direitos humanos”.

O presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, conduziu uma extensa repressão à dissidência política que se intensificou continuamente nos últimos anos.

Sisi disse que não há prisioneiros políticos no Egito, que a estabilidade e a segurança são fundamentais e que o governo apóia os direitos humanos fornecendo necessidades básicas, como empregos e moradia.

Prisões de Sisi - Cartoon [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

Prisões de Sisi – Cartoon [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasEgitoEUANotíciaONUOrganizações Internacionais
Show Comments
Show Comments