Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Como a França caiu nessa crise com o mundo islâmico?

Kuwaitianos levantam cartazes contra o presidente francês Emmanuel Macron na Cidade do Kuwait, em 24 de outubro de 2020 [AFP/ Getty Images]
Kuwaitianos levantam cartazes contra o presidente francês Emmanuel Macron na Cidade do Kuwait, em 24 de outubro de 2020 [AFP/ Getty Images]

A França tem uma explicação fácil para a onda de raiva contra ela em todo o mundo islâmico, já que tudo o que está acontecendo é “impulsionado por uma minoria extremista”, simplesmente isso. A afirmação foi feita em comunicado do Ministério das Relações Exteriores da França, em 25 de outubro, poucos dias após o lançamento de uma onda de boicote sem precedentes aos produtos franceses. Esta declaração jogou mais lenha na fogueira da crise ao associar o estigma habitual de extremismo ao comportamento de não comprar, embora seja direito do ser humano exprimir as suas posições desta forma. Em geral, a interpretação da crise que a França enfrenta atualmente com os povos muçulmanos é a de que ela se deve a uma posição “extremista” entre os muçulmanos, ou que se trata apenas de uma escalada do presidente turco Erdogan contra seu homólogo francês Macron, como aparece na mídia francesa.

Consumidores muçulmanos em todo o mundo dizem que estão boicotando os produtos franceses em resposta às repetidas ofensas contra a fé islâmica que o presidente Macron parece estar defendendo. No entanto, a França não quer admitir que suas posições subestimaram os muçulmanos  por meio de uma série de suas posturas recentes. Macron disse em um discurso em 2 de outubro que “o Islã hoje está em crise em todo o mundo “. Ultrapassando o papel esperado do chefe de um estado laico, antes e depois disso, o presidente francês defendeu a publicação de caricaturas desdenhosas do Profeta Maomé (s.a.w.s) em seu país, e ele o fez mesmo quando apareceu em Beirute em primeiro de setembro, após a explosão do porto. Macron continuou a tradição seguida por seus antecessores ao mostrar falta de respeito, pois eles usam termos que associam a palavra Islã exclusivamente a terrorismo e extremismo. Macron ainda acrescentou um novo termo, “separatismo islâmico”, em uma nova escalada verbal.

LEIA: Sátiras Religiosas na França – Qual é o limite da liberdade de expressão?

A questão não é apenas das caricaturas provocativas. Os muçulmanos, com vozes de dentro da França e de todo o mundo, estão percebendo o modo como algumas campanhas de ódio e desdém, que visam especificamente o Islã, são embrulhadas sob o pretexto da liberdade de expressão, e isso implicaria em conceder a essas campanhas imunidade e cobertura moral e incentivo geral. A contradição surge com o desaparecimento de qualquer menção à liberdade de expressão quando os muçulmanos se expressam para rejeitar as campanhas desrespeitosas que os perseguem e condenar o insulto à sua religião. A descrição como extremistas é dirigida de forma generalizada aos manifestantes. Essa interpretação seletiva da liberdade de expressão revela preconceitos e posições tomadas a priori.

Tornou-se comum na Europa – intencionalmente ou não – encorajar discursos de ódio que desprezam os muçulmanos e ridicularizam sua religião, destacando a liberdade de expressão e classificando algumas campanhas de difamação e que disseminam o ódio como “os valores da Europa” e “o mundo civilizado”. O jornal satírico “Charlie Hebdo” era famoso pelos repetidos insultos ao Profeta Maomé (s.a.w.s) . Este jornal não parou por aí, o desdém aos muçulmanos o levou a desenhar uma garota muçulmana em sua capa na forma de um macaco. Essa distorção veio apenas porque a menina, que tinha 19 anos na época, chamada Maryam Pougetto, foi eleita para a presidência do Sindicato dos Estudantes da Universidade Sorbonne UNEF e apareceu em um programa do canal francês M6 em 19 de maio de 2018.

É claro que a liderança francesa ficou surpresa com a raiva que está crescendo rapidamente contra si em todo o mundo islâmico, depois de calcular mal a situação e subestimar os sentimentos dos muçulmanos em todo o mundo. Paris poderia ter evitado a crise com alguma sabedoria sem prejudicar o princípio da liberdade de expressão. Macron poderia ter aprendido com Hillary Clinton, por exemplo, quando a então Secretária de Estado dos EUA (13 de setembro de 2012) descreveu um filme lançado em seu país dedicado ao desprezo do Profeta Maomé, como “trabalho nojento”.

Na época, os líderes ocidentais escolhiam suas palavras com muito cuidado. Porque a “Primavera Árabe” mostrou que os povos árabes e muçulmanos estão acordados e têm voz. Mas Macron pertence a um estágio posterior, em que o governo autoritário ressuscitou nos países árabes, e quando a França deu as boas-vindas, com tapete vermelho, a alguns tiranos, depois que eles esmagaram a democracia em seus países.

Os povos árabes e muçulmanos observam que justificar o desdém ao Islã com o slogan da liberdade de expressão é acompanhado pela ampla cooperação francesa com regimes árabes que suprimem a liberdade de expressão e os direitos de seus cidadãos. Mas os políticos em Paris não parecem se importar com os sentimentos dos povos oprimidos, nem mesmo com seus cidadãos muçulmanos, que representam a maior presença muçulmana na Europa. Macron está travando uma árdua competição, desta vez com a extrema direita, e pode perder sua chance eleitoral em favor da política extremista de Marine Le Pen, e isso exige que ele endureça suas posições às custas dos muçulmanos em seu país.

LEIA: Islamofobia e colonialismo em tempos de crise

Parece que o macarthismo na França entrou em um estágio obsessivo, e aqueles em torno de Macron estão mostrando seu aborrecimento até mesmo nas seções halal dos supermercados franceses, assim como o ministro do Interior Gerald Darmanan, de acordo com o que ele disse em uma entrevista ao canal francês BFM, em 20 de outubro.

Eles ignoraram que a França tem seus interesses com o mundo islâmico, e acham que seus povos oprimidos ou esmagados não têm voz. O resultado foi que os povos muçulmanos mostraram seu aborrecimento com a presença de produtos franceses nas lojas e usaram seu direito de expressar em um rápido movimento civil com interação massiva nas redes sociais .

O que o Ministro Darmanan declara mostra que os ministros do Interior na França foram além do escopo de suas funções de forma grosseira, no que diz respeito aos muçulmanos. Isso é o que o ex-ministro do Interior Gerard Coulomb fez quando expressou, por exemplo, seu choque ao ver uma garota cobrindo o cabelo em uma estação de televisão francesa, dizendo que o surgimento da líder estudantil na universidade Sorbonne, Miriam Pogetto, em 19 de maio de 2018 foi “chocante”, porque em suas palavras, “difere da sociedade francesa.” Essas declarações se intensificaram e se tornaram rotina na França, revelando a profunda crise da república em lidar com a diversidade interna.

Após o aumento das atitudes francesas, que fizeram muçulmanos do mundo inteiro sentirem repetidos insultos, arrogância cultural, foram lançadas campanhas de boicote aos produtos franceses, com uma resposta rápida e ampla. A escala das perdas esperadas neste caso não é apenas econômica, pois as perdas morais da França são certamente inestimáveis. A França perde a cada dia sua reputação global, após sua imagem externa ter sido associada a provocações, discursos de ódio e humilhação moral. À sombra do que está acontecendo, alguns povos relembram seu passado colonial, os horrores que a França ainda não repudiou. Em 2005, publicou a Lei 158, dedicada a difundir os “valores positivos” do colonialismo francês.

O mau comportamento e os erros de julgamento colocaram a França em uma crise em todo o mundo que poderia ter sido evitada, embora Paris não ouse admitir.

LEIA: França, islamofobia e violência

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaFrançaOpinião
Show Comments
Show Comments