Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Polícia da Jordânia confronta manifestantes em repressão a Sindicato dos Professores

Polícia jordaniana fecha as ruas atingindo a área do gabinete do primeiro-ministro, em 29 de julho de 2020 em Amã, Jordânia [Jordan PIx/ Getty Images]

As forças de segurança jordanianas usaram na terça-feira gás lacrimogêneo para dispersar manifestantes que atiravam pedras, alegando que os ativistas interromperam os serviços públicos durante um protesto para exigir a libertação de líderes do Sindicato dos Professores dirigido pela oposição, conforme informou a mídia estatal.

Uma fonte do governo disse que sete policiais ficaram feridos no protesto na cidade de Karak, no sul, com a violência estourando pela primeira vez em uma crise crescente entre as autoridades e o sindicato, que se tornou a principal fonte de dissidência.

Em 25 de julho, o governo fechou os escritórios do sindicato que representa 100 mil filiados e suspendeu suas atividades por dois anos, em uma das maiores repressões contra um grande grupo dissidente nos últimos anos.

Na semana passada, a Human Rights Watch, com sede nos EUA, criticou a repressão que incluiu prisões de dezenas e instou as autoridades a acabar com táticas de intimidação que impedem as pessoas de exercer seu direito à liberdade de associação.

“Fechar um dos poucos sindicatos independentes da Jordânia após uma prolongada disputa com o governo e por motivos jurídicos duvidosos suscita sérias preocupações sobre o respeito do governo pelo Estado de direito”, disse Michael Page, vice-diretor da Human Rights Watch no Oriente Médio.

LEIA: Professores são presos na Jordânia após protesto contra o governo

O sindicato entrou em greve no ano passado, fechando escolas na Jordânia por um mês, em uma das greves mais longas e perturbadoras do setor público na história do país.

Nas últimas semanas, a liderança acusou o governo de não cumprir um acordo assinado em outubro passado que encerrou a greve.

Os promotores acusaram os líderes presos de incitamento e irregularidades financeiras e administrativas, que o sindicato considera infundadas.

As cidades de Irbid, Karak, Jerash e Tafila viram protestos noturnos dispersos nos últimos dias, com centenas de ativistas da oposição saindo às ruas, pedindo a renúncia do governo, o fim da corrupção e a libertação de sindicalistas presos.

LEIA: Democracia enterrada na Jordânia com fechamento do Sindicato dos Professores

Categorias
HRWJordâniaNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments