Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Tome uma atitude: Liberte Mahmoud Nawajaa!

Mahmoud Nawajaa, coordenador geral do movimento BDS, Mahmoud Nawajaa [Twitter]
Mahmoud Nawajaa, coordenador geral do movimento BDS, Mahmoud Nawajaa [Twitter]

Um garoto de nove anos grita: “Deixe meu pai em paz. Fora!. Seu cachorro não me assusta!

A casa do garoto acaba de ser invadida no meio da noite por uma dúzia de soldados em traje de guerra, armados até os dentes. São acompanhados por um cão militar feroz e treinado.

O garoto e seu irmão mais novo se mostram desafiadores.

“Cuide das crianças”, diz o pai à esposa enquanto os soldados o levam embora.

Ele está de olhos vendados, algemado e levado para a noite por esse grupo covarde de bandidos que se passam por soldados.

Esta cena não é ficção. Aconteceu na madrugada de quinta-feira, 30 de julho, na Palestina ocupada.

O homem, que agora definha dentro de uma masmorra israelense sem acusações, é Mahmoud Nawajaa.

Nawajaa não é um “terrorista” ou mesmo um membro da resistência armada legítima. Ele é o coordenador geral do movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) na Palestina.

O movimento BDS que Nawajaa ajuda a liderar é uma campanha totalmente pacífica e legítima de resistência contra a ocupação ilegal de Israel e o racismo sistêmico.

A campanha de 15 anos para responsabilizar Israel por boicotes, desinvestimentos e sanções éticas e direcionadas fez grandes progressos. Israel a considera ameaça ao regime do apartheid e dedica suas agências de espionagem – incluindo a Mossad – a uma campanha global de sabotagem e truques sujos para combatê-la.

Agora Israel também envolveu seus “soldados” nessa guerra em particular contra os direitos humanos palestinos.

É um sinal típico da fraqueza e fragilidade israelense terem sentido a necessidade de cerca de 20 soldados para sequestrar esse homem desarmado, que não representava ameaça à vida deles.

Cerca de uma década atrás, com toda a probabilidade, o exército israelense e a polícia secreta já teriam informado a imprensa israelense com desinformação destinada a difamar um ativista não violento como Nawajaa – e a maioria dos jornalistas israelenses teria repetidamente obedecido sua linhagem.

Em uma rápida revisão dos sites israelenses no dia seguinte à prisão de Nawajaa, eles nem se deram ao trabalho de fazer isso. Ainda não há nenhuma história sobre Nawajaa publicada que eu possa ver. Para os israelenses, ele é simplesmente mais um “extremista” palestino perigoso que deve ter feito algo errado.

Isso é uma mentira. Devemos pressionar nossos líderes políticos a exigir a libertação imediata e incondicional de Nawajaa da detenção de Israel.

Em um comunicado à imprensa, o Comitê Nacional do BDS (ou BNC, o órgão de coordenação da sociedade civil palestina para a qual Nawajaa trabalha) explicou a prisão de Nawajaa pelas forças de ocupação israelenses: “O regime de ocupação militar de Israel, e assentamentos, colonialismo e apartheid, está tentando desesperadamente aterrorizar ativistas palestinos do BDS e suas famílias, depois de terem fracassado em desacelerar o crescimento do movimento. Apelamos a todos os ativistas da BDS em todos os lugares para fortalecer ainda mais a campanha da BDS para responsabilizar Israel. ”

Sua perseguição a Nawajaa é apenas o mais recente de muitos exemplos das constantes violações de Israel ao direito internacional – auxiliadas por aliados dos EUA, Canadá e Europa.

A Convenção Internacional das Nações Unidas sobre a Supressão e Punição do Crime do Apartheid define as condições objetivas nas quais o termo “apartheid” se aplica. É claro que Israel se qualifica, como uma multidão de especialistas tem apontado por muitas décadas.

Sob a convenção, a “perseguição de organizações e pessoas, privando-as de direitos e liberdades fundamentais, porque se opõem ao apartheid”, é um dos atos desumanos vinculados à manutenção desse sistema. Israel é claramente culpado disso no caso de Nawajaa.

Enquanto Nawajaa permanece na prisão israelense, há uma ameaça adicional a ele e aos outros presos políticos pelo coronavírus.

Como o BNC explicou em um e-mail, reunindo ativistas internacionais em defesa de Nawajaa: “Mahmoud é um dos mais de 4.700 palestinos nas prisões israelenses. Nas circunstâncias atuais, com a disseminação do vírus da covid-19, a detenção em massa agrava os riscos de saúde e segurança de todos os detidos, aumentando a cultura comum de tortura e tratamento degradante e desumano dos palestinos nas prisões israelenses ”.

O BNC está pedindo aos apoiadores do movimento BDS que escrevam para seus governos para exigir a libertação de Nawajaa, mobilizem apoio em grupos, partidos e sindicatos locais, conscientizem as mídias sociais (usando as hashtags #FreeMahmoud ou #LibertadParaMahmoud) e fortaleçam e ampliem nossas campanhas de BDS.

Inspire-se no exemplo destemido do filho jovem de Nawajaa – mais um sinal de que o povo palestino se recusa a desistir, partir ou morrer em silêncio.

Tome uma atitude: Liberte Mahmoud Nawajaa!

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoBDSInquéritoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestinaSlide Grande
Show Comments
Show Comments