Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

EUA falharam em proteger do coronavírus diplomatas em Riad, revela jornal

Embaixador dos EUA na Arábia Saudita, general aposentado John Abizaid em 28 de fevereiro de 2012 na Virgínia, EUA [Win McNamee/ Getty Images]
Embaixador dos EUA na Arábia Saudita, general aposentado John Abizaid em 28 de fevereiro de 2012 na Virgínia, EUA [Win McNamee/ Getty Images]

O Departamento de Estado dos EUA e o Embaixador da Arábia Saudita falharam em tomar as medidas necessárias para proteger a saúde de diplomatas e funcionários no reino durante a pandemia de coronavírus, revelou o New York Times.

Segundo o jornal de ontem, dezenas de funcionários da embaixada adoeceram em junho, após uma festa de aniversário em que todos participaram, o que levou diplomatas a fazerem contato não oficial com membros do Congresso por temores de que sua saúde estivesse em risco.

Como resultado de sua exposição ao vírus respiratório, mais de 20 pessoas foram colocadas em quarentena e um motorista sudanês que atendia os diplomatas dos EUA morreu devido à doença.

O incidente fez com que a embaixada e sua equipe acreditassem que o Departamento de Estado dos EUA e o embaixador John P Abizaid não levavam a sério a gravidade do vírus. A maioria dos funcionários e suas famílias deveria ter sido evacuada do país, acrescentaram.

A revelação ocorre duas semanas depois que o Departamento de Estado dos EUA se recusou a permitir que “indivíduos de alto risco” partissem para os EUA em meados de junho, apesar das embaixadas no Iêmen e nas Filipinas terem sido fechadas.

LEIA: OMS emite alerta vermelho sobre covid-19 no Oriente Médio e Norte da África

O Congresso foi alertado sobre a situação em meados de junho, depois que alguns funcionários enviaram uma mensagem criptografada a um funcionário que trabalhava para o deputado democrata Adam Schiff, cujo escritório encaminhou a mensagem ao Comitê de Relações Exteriores da Câmara, que supervisiona as missões diplomáticas.

De acordo com o documento, o presidente do Comitê, Eliot Engel, disse que “imediatamente analisou relatos sobre os perigos para o pessoal e os cidadãos americanos na Arábia Saudita como resultado da pandemia de coronavírus”, levantando preocupações sobre a equipe do embaixador Abizaid e a falta de confiança que eles têm de que sua segurança esteja sendo cuidada.

Após o alerta do Congresso, no sábado, o Departamento de Estado finalmente anunciou sua permissão para a “saída voluntária de pessoal e familiares não emergenciais dos EUA da Missão dos EUA na Arábia Saudita”. Falando ao jornal, o Departamento afirmou “não ter maior prioridade do que garantir a segurança do pessoal do governo e dos cidadãos dos EUA” e que a partida voluntária era “apropriada, dadas as condições atuais associadas à pandemia”.

De acordo com fontes com conhecimento da situação, no entanto, ainda existem alguns funcionários que dizem que isso não é suficiente e que a maioria dos 400 a 500 trabalhadores americanos na embaixada em Riad e em dois consulados precisam ser evacuados, particularmente devido a preocupações de um novo aumento nos casos de coronavírus previstos neste mês.

LEIA: Arábia Saudita avança em projeto de US$ 20 bilhões apesar de crise econômica

Categorias
Arábia SauditaÁsia & AméricasCoronavírusEUANotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments