Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Hamas insiste em não haver troca de prisioneiros antes das libertações de acordo anterior

O soldado israelense libertado, Gilad Shalit, cumprimenta o primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu depois de desembarcar em uma base aérea do exército israelense. Shalit foi libertado em 18 de outubro de 2011 após ser mantido como prisioneiro de guerra por cinco anos e meio na Faixa de Gaza ocupada [IDF Online]
O soldado israelense libertado, Gilad Shalit, cumprimenta o primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu depois de desembarcar em uma base aérea do exército israelense. Shalit foi libertado em 18 de outubro de 2011 após ser mantido como prisioneiro de guerra por cinco anos e meio na Faixa de Gaza ocupada [IDF Online]

O Movimento de Resistência Islâmica da Palestina, Hamas, disse na segunda-feira que não entraria em nenhum novo acordo de troca de prisioneiros com Israel antes da libertação de todos os prisioneiros que deveriam ser libertados sob o acordo anterior.

O porta-voz do Hamas, Abdul Latif Al-Qanou, disse a uma reunião de famílias de prisioneiros em frente ao escritório da Cruz Vermelha Internacional em Gaza que a nova detenção dos prisioneiros que supostamente teriam sido libertados sob o acordo Gilad Shalit era uma violação dos termos do acordo intermediado pelo Egito.

Al-Qanou disse  que o movimento “tem cartas fortes” para usar na libertação dos prisioneiros mantidos por Israel. “Somos capazes de obrigar as autoridades de ocupação a atender às nossas demandas.”

As sentenças longas, disse o porta-voz, e o restabelecimento de sentenças anteriores para prisioneiros libertados na troca anterior não os impedirão.

Em conclusão, o funcionário do Hamas pediu ao Egito que pressionasse os israelenses a se comprometerem com os termos do acordo Shalit.

LEIA: 95% dos palestinos detidos nas cadeias de Israel sofrem tortura, denuncia ong

Categorias
ÁfricaEgitoIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments