Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ao banir o Hezbollah, a Alemanha curva-se à pressão sionista, mas sem muita relevância

Ao banir o Hezbollah, a Alemanha curva-se à pressão sionista, mas sem muita relevância
Polícia alemã invade associações ligadas ao Hezbollah após proibição do grupo pelo governo europeu, em Berlim, Alemanha, 30 de abril de 2020 [Odd Andersen/AFP/Getty Images]

Na semana passada, a Alemanha enfim cedeu às pressões dos Estados Unidos e de Israel para banir o Hezbollah de forma definitiva, ao criminalizar a ala política do movimento libanês. O governo em Berlim descreveu o grupo como “organização terrorista xiita”, embora seja parte legítima do governo do Líbano e não possuir qualquer ramo oficial no território alemão.

Apenas duas semanas antes de tal medida, forças de segurança da Alemanha romperam uma célula do Daesh (Estado Islâmico) que planejava ataques a bases americanas no país europeu, na região de Renânia do Norte-Vestfália. Este fato sugere que Berlim tenha extraviado suas prioridades de contraterrorismo, até porque a ala militar do Hezbollah esteve na vanguarda do combate ao Daesh na Síria.

Ao impor o banimento, o governo alemão permitiu que sua política externa supostamente independente fosse ditada por outros. Embora estivesse claramente remoendo a proibição já há algum tempo, somente no ano passado o Ministro de Estado Niels Annen decidiu rebater as críticas dos Estados Unidos, ao insistir que a política externa alemã mantinha-se comprometida com uma solução política, logo após a proibição britânica de Hezbollah. Relatos de reivindicações de “círculos do governo” pela proibição foram negados por um porta-voz do Ministério do Interior, no final de 2019.

LEIA: Hezbollah culpa o banco central do Líbano pelo colapso da moeda

Com apoio do Mossad, violenta agência de espionagem israelense, o anúncio da proibição seguiu-se rapidamente de ataques absolutamente insensíveis da polícia alemã, responsáveis por profanar mesquitas xiitas em Berlim durante o mês sagrado do Ramadã. Diante de tais ações, Sayyid Hassan Nasrallah – secretário-geral do Hezbollah – condenou a política alemã em curso como “bárbara”. Entretanto, na realidade, trata-se de uma proibição amplamente acadêmica, pois o Hezbollah é organização estrangeira, de modo que restrições legais se estendem principalmente a questões financeiras ou expressões de apoio na Alemanha.

Com apoio do Irã, o Hezbollah emergiu como movimento social para conter as necessidades da comunidade xiita marginalizada no Líbano, durante a guerra civil no país, entre 1975 e 1990. O braço militar da organização foi desenvolvido para resistir à invasão e ocupação de Israel sobre o sul do Líbano, em 1982. A enorme influência política do Hezbollah ganhou volume durante bem sucedida campanha de guerrilha que expulsou o exército israelense do Líbano, no ano 2000, além da vitória política do movimento, seis anos mais tarde, também diante de guerra lançada por Israel.

Alemanha bane braço político do grupo Hezbollah

Naturalmente, Israel foi o primeiro país do mundo a designar o Hezbollah como um todo como organização terrorista, desde suas origens, em 1985. Estados Unidos fizeram-no em seguida, em 1997, e Canadá, em 2002. Estados do Golfo e a Liga Árabe baniram o movimento em 2016, devido ao apoio ativo do Hezbollah ao governo sírio de Bashar al-Assad.

Presidente da Síria Bashar al-Assad [Kremlin]

Entretanto, a União Europeia mantinha duradoura postura de não denominar o movimento como órgão terrorista. A Holanda tornou-se uma exceção precoce, em 2004. A União Europeia decidiu mais tarde, em 2013, distinguir entre os braços político e armado do grupo, diante de um ataque a bomba contra um ônibus em Burgas, Bulgária, que resultou em cinco israelenses mortos. Embora o então governo búlgaro tenha implicado o Hezbollah ao ataque, seu sucessor logo voltou atrás, ao mencionar evidências insuficientes sobre o caso e alegar que a mudança de postura europeia não se justificava. Dito isto, a maioria dos países europeus avançou em categorizar o Hezbollah individualmente; contudo, dependem da posição do bloco.

Ao seguir a decisão britânica de designar o Hezbollah como grupo terrorista, a Alemanha demonstrou ser apenas mais um estado cúmplice subserviente às demandas americanas e israelenses. Segundo Nasrallah: “[Isso] reflete a submissão da Alemanha à vontade dos Estados Unidos e ao agrado de Israel.” O Ministério de Relações Exteriores do Irã ainda acusou o governo alemão de ser coagido por sua “dívida histórica” com Israel, com base em seu passado nazista. Ainda nesta semana, o Embaixador da Alemanha no Líbano foi então convocado pelo Ministério de Relações Exteriores em Beirute, para prestar esclarecimentos sobre a decisão de Berlim. O diplomata “esclareceu”: “A decisão não classifica o Hezbollah como [grupo] terrorista, mas sim proíbe suas atividades em solo alemão.”

No entanto, preserva-se o fato de que o Hezbollah não representa qualquer ameaça à Alemanha, ou mesmo ao mundo ocidental. O grupo está fundamentalmente preocupado em defender a integridade territorial libanesa e proteger os interesses do Líbano e seus aliados. Mantém também seu compromisso com a libertação da Palestina e seu braço militar permanece como obstáculo efetivo aos avanços de Israel, desde 2006.

Ameaças verdadeiramente concretas à segurança alemã e outros lugares provêm da ideologia takfiri-jihadista do Daesh e da onda de neonazismo. Segundo a agência de inteligência alemã, Ofício Federal para Proteção da Constituição (BfV), desde 2013, mais de mil radicais islâmicos com base na Alemanha filiaram-se ao Daesh e aproximadamente um terço deles retornaram ao país. No início deste ano, a Alemanha anunciou a repatriação de 122 cidadãos da Síria e do Iraque; no caso, membros do Daesh.

LEIA: Cada vez mais próxima de Israel, Honduras nomeará o Hezbollah como terrorista e pretende transferir embaixada para Jerusalém

O Ministro do Interior Horst Seehofer afirmou, após ataques terroristas em fevereiro contra tabacarias em Hanau, que a extrema-direita de fato representa “a maior ameaça à segurança enfrentada pela Alemanha”. Juntou-se a ele a Ministra da Justiça Christine Lambrecht, que declarou: “O terror de extrema-direita é a maior ameaça à nossa democracia no momento”.

O alinhamento próximo da Alemanha aos interesses sionistas e americanos, embora bem acolhido por certos grupos, é amplamente questionado por outros em termos de efetividade real. Hadi Borhani, analista com base em Teerã, alegou que a proibição não tem importância alguma: “A designação do como grupo terrorista neste momento é apenas um movimento vazio e infundado com zero relevância ou peso.” O gesto do governo em Berlim parece ser simbólico, na melhor das hipóteses. Na pior delas, sugere falta de autonomia e independência. E não possui qualquer impacto estratégico ao Hezbollah a longo prazo.

Ofuscado pelo declínio da economia global e pela crise de saúde da pandemia de coronavírus (covid-19), além de seus problemas de terrorismo doméstico, a Alemanha claramente confunde prioridades. A decisão de banir o Hezbollah é uma manobra com motivação política que não tem relação alguma com proteger interesses nacionais.

LEIA: Estados Unidos acusam membro do Hezbollah por ataques na Argentina

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
AlemanhaArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosEuropa & RússiaIsraelLíbanoOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments