Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Irã critica Alemanha por criminalizar o Hezbollah

Membros da ala armada do Hezbollah enfileirados durante discurso televisionado de Hassan Nasrallah em 22 de fevereiro de 2008, em Beirute, Líbano. [JOSEPH BARRAK / AFP via Getty Images]

Na quinta-feira, o Ministério das Relações Exteriores do Irã condenou a Alemanha pela inclusão do Hezbollah libanês sua lista do terror, afirmando que a medida está alinhada com as aspirações do regime sionista de Israel e dos EUA, conforme informou a mídia iraniana.

“A decisão do governo alemão desrespeita o governo e o povo libanês porque o Hezbollah é uma parte oficial e legítima do governo e parlamento do país”, anunciou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Abbas Mousavi.

“[O Hezbollah] sempre foi um partido político eficaz na estabilização do país e está sendo apoiado pelo povo libanês e regional”, acrescentou Mousavi.

LEIA: Alemanha bane braço político do grupo Hezbollah

Ele observou que certos países europeus tomam decisões sem considerar as realidades na região da Ásia Ocidental, enfatizando que o Hezbollah tem sido uma força forte contra grupos terroristas como o Daesh.

Mousavi observou que o governo alemão deve ser responsável pelas conseqüências negativas de sua decisão na luta contra os grupos terroristas da região.

Para justificar sua decisão, na quinta-feira, o Ministério do Interior alemão alegou em uma declaração que “o Hezbollah pede abertamente a eliminação violenta do Estado de Israel e questiona o direito do Estado de Israel de existir”.

“A organização é, portanto, fundamentalmente contra o conceito de entendimento internacional, independentemente de se apresentar como uma estrutura política, social ou militar”.

LEIA: Hezbollah culpa o banco central do Líbano pelo colapso da moeda

Categorias
AlemanhaEuropa & RússiaIrãLíbanoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments