Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Imigração para Israel cresceu 28% no primeiro semestre de 2019

Segurança de aeroporto israelense [Foto de arquivo]

A imigração para Israel aumentou 28% no primeiro semestre de 2019, impulsionada predominantemente pelo aumento do número de judeus russos emigrados para o país.

De acordo com um relatório divulgado ontem pelo Haaretz – que citou dados da Agência Judaica, uma ong que incentiva a imigração de judeus para Israel – nos primeiros seis meses de 2019, 16.019 judeus de todo o mundo imigraram para Israel, um aumento de 28% para o mesmo período em 2018.

Mais da metade desses 16.019 imigrantes são originários da Rússia, representando um aumento de 73% na imigração russa em comparação com 2018. Outros 3.000 foram originários da Ucrânia, representando um aumento de 6% em relação ao ano anterior.

Cerca de 5% do aumento deste ano também foi resultado da imigração dos Falashmura, judeus etíopes cujo direito de imigrar para Israel sob a Lei do Retorno tem sido motivo de controvérsia e levou a acusações de racismo por parte do Estado israelense.

Enquanto isso, a imigração de outros países com grandes populações judaicas – incluindo os EUA, o Reino Unido e a França – caiu drasticamente no primeiro semestre de 2019, apesar dos esforços do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, para incentivá-la. A imigração de judeus franceses caiu 23%, enquanto a imigração judaico-americana caiu 11%.

A Lei de Retorno de Israel afirma que apenas pessoas com um avô judeu, aqueles que são casados com um judeu ou se converteram ao judaísmo podem imigrar para Israel. No entanto, rabinos conservadores dentro de Israel alegaram que a maioria dos imigrantes russos não pode ser considerada como judeus sob a lei judaica (a Halacha) porque eles não têm uma mãe judia e não são ortodoxos.

Em março, o rabinato israelense se viu envolvido em controvérsias depois que descobriu que vinha realizando testes genéticos em israelenses da antiga União Soviética para verificar se eles eram “geneticamente judeus” como condição para o registro de casamento.

Embora a existência de tais testes tenha sido anteriormente negada pelo ministro do Interior de Israel, Aryeh Deri, o rabino-chefe Ashkenazi, David Lau, admitiu ter solicitado que alguns casais provassem seu status judaico antes de permitir que se casassem. A prática parecia ter alvejado desproporcionalmente judeus da antiga União Soviética, que as comunidades ortodoxa e ultra-ortodoxa argumentam ter apenas ascendência judaica distante.

Ministro do Interior israelense, Aryeh Deri [Foto de arquivo]

Esses judeus de língua russa respondem por aproximadamente 15% da população israelense, tornando-os uma força considerável na política do país. O ex-ministro da Defesa Avigdor Lieberman – que é de ascendência soviética – fundou o partido Yisrael Beiteinu para atrair os israelenses de língua russa, em grande parte seculares que imigraram consistentemente em grande número desde o colapso do bloco soviético no início dos anos 90.

Esses eleitores permaneceram leais a Lieberman, apesar dos esforços do partido Likud e de sua principal oposicionista, Blue and White (Kahol Lavan), de afastar os eleitores russos do Yisrael Beiteinu antes das eleições de 17 de setembro, até o momento sem sucesso.

Esse aumento da imigração ocorre em um momento em que Israel continua a reprimir a migração não-judaica para o país.

No mês passado, as autoridades de imigração de Israel reuniram dezenas de trabalhadores filipinos e suas crianças nascidas em Israel para deportação, detendo-os perto do Aeroporto Ben Gurion. Apesar das tentativas de recorrer contra as ordens de deportação nos tribunais de apelação de Israel, no início desta semana uma cuidadora filipina, Geraldine Esta, e seus filhos – Kiyan de dez anos e Katherine de cinco anos – viram seu apelo rejeitado e receberam 45 dias para deixar o país.

Também no mês passado, Israel tentou deportar o jornalista palestino Mustafa Al-Haruf. Ele nasceu na Argélia, mas vive com a família na ocupada Jerusalém Oriental desde os 12 anos, possuindo uma autorização de residência que foi previamente renovada periodicamente. Apesar de ser casado com um palestino de Jerusalém e ter um filho junto, o Ministério do Interior de Israel rejeitou o requerimento da Al-Haruf para uma petição de unificação familiar.

Quando as autoridades israelenses tentaram no mês passado deportar Al-Haruf para a Jordânia, ele foi impedido de entrar e voltou para a prisão de Israel. Um tribunal israelense ontem o manteve em custódia por mais um mês até que sua deportação seja garantida.

Categorias
Ásia & AméricasEleições israelensesEUAEuropa & RússiaFrançaIsraelNotíciaOriente MédioRússia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments