Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Perguntas e Respostas: Entrevista com Mousa Abu Marzook, o primeiro chefe do departamento político do Hamas

Musa Abu Marzook, oficial sênior do Hamas [foto do arquivo]

Nascido em Rafah, na Faixa de Gaza, em 1951, Mousa Abu Marzook foi educado no Egito e nos EUA. Tornou-se o primeiro chefe do comando político do Hamas. Atualmente mora no Cairo.

Qual a sua opinião sobre a recente eleição geral de Israel?

A eleição ocorreu mais cedo devido ao colapso da coalizão do governo israelense, após a fracassada missão das Forças Especiais na cidade de Khan Younis, no sul de Gaza, em novembro do ano passado. O incidente levou à renúncia do ministro da Defesa, Avigdor Lieberman. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu fez todo esforço possível para manter a coalizão, mas fracassou.

Existem divisões claras na sociedade israelense, refletidas na política do país. Os resultados das eleições também refletem o nível de extremismo entre os israelenses e isso prenuncia o próximo governo, o qual será apoiado por Washington. Os interesses de Netanyahu e da atual administração dos EUA são compatíveis com relação ao Irã, relações com os árabes, Jerusalém, refugiados da Palestina, assentamentos e outras questões.

A vitória de Netanyahu foi claramente afetada por fatores externos, como a decisão dos EUA de reconhecer a anexação israelense das colinas sírias de Golã, o retorno do corpo de um soldado israelense via Moscou e a trégua em Gaza.

Netanyahu provavelmente formará o novo governo; O Hamas o prefere ao invés de Benny Gantz por ter um tipo de acordo indireto com o líder israelense?

Como movimento de libertação nacional, não apostamos nas urnas do nosso inimigo. No entanto, existem diferenças políticas entre Netanyahu e a aliança de generais, mas consideramos todos eles inimigos e reconhecemos que eles competem no interesse de Israel e oprimem os palestinos, principalmente o Hamas. Os palestinos têm uma amarga experiência em relação à construção do estado [israelense] e à libertação de nossa terra por meio de negociações e reconciliações políticas. Foi um completo fracasso, mesmo quando o público israelense votou em políticos de esquerda. E hoje então, quando se inclinam para os extremistas de direita?

Escola Jamal Abdul Nasser após ter sido completamente destruída durante os ataques de Israel a Gaza em 2014 [Fundação Education Above All – EAA]

Gantz foi o Chefe do Estado Maior de Israel durante a grande ofensiva militar de 2014 em Gaza, quando mais de 2.600 palestinos foram mortos e 30% das casas de nosso povo foram destruídas. Todos esses políticos israelenses são criminosos e têm sangue palestino em suas mãos. Nós não apostamos neles ou em melhorar as condições por meio de uma trégua; estamos apostando em acabar com a ocupação, o retorno dos refugiados palestinos e recuperar os direitos dos palestinos, usando todos os meios possíveis.

Como primeiro-ministro de Israel, Netanyahu dobrou o número de assentamentos judaicos ilegais, gastando mais de US$ 3 bilhões com eles durante seus mandatos anteriores; persuadiu Donald Trump a reconhecer Jerusalém como a capital “indivisível” de Israel; e, em geral, trabalhou contra os interesses palestinos. O Hamas tem um plano para confrontar planos futuros de Israel, entre os quais provavelmente estará a anexação da Cisjordânia ocupada?

O Likud, partido de Netanyahu, rejeita qualquer recuo das terras palestinas e os líderes da direita israelense tendem a reforçar os assentamentos e anexar toda a Cisjordânia. Essa postura é semelhante à do ex-primeiro-ministro Ariel Sharon, que disse que nunca recuaria sequer em uma polegada da terra palestina, mas que em 2005 foi forçado a retirar-se da Faixa de Gaza. Como tal, continuaremos com a nossa estratégia baseada na resistência, reforçando a frente interna, concentrando-nos na unidade nacional e confiando na vontade do nosso povo. Vamos coordenar com estados árabes e fóruns internacionais amigáveis, a fim de minar tudo o que se destina a fortalecer a ocupação israelense.

O “acordo do século” dos EUA provavelmente incluirá a maior parte do que Netanyahu quer, principalmente a anexação da Cisjordânia. Nós iremos desafiá-lo. Não terá sucesso e terá o mesmo fim que os anteriores e fracassados projetos americanos ​​para acabar com o conflito israelo-palestino.

 

Netanyahu ameaçou reocupar Gaza se necessário. O Hamas está pronto para isso?

Israel não se retirou de Gaza pensando que retornaria. Sua ocupação de Gaza não foi um piquenique. Não voltará facilmente. O governo entrou em guerra contra o povo em Gaza em 2008, 2012 e 2014 sem saber o que fazer no dia seguinte. Netanyahu disse que pediu a vários países para administrarem a Faixa de Gaza, mas eles se recusaram. Ele não quer carregar o fardo de 2 milhões de palestinos e suas necessidades diárias.

Apesar da presença da maioria das facções palestinas nos níveis político, militar e social em Gaza, o Hamas continua sendo o principal movimento. E quanto ao Hamas na Cisjordânia ocupada e em Jerusalém Oriental, independentemente dos deputados detidos, os conselhos estudantis esgotados e os comunicados de imprensa?

O Hamas é a maior facção popular entre todos os palestinos. Isto ficou bastante evidente na última ocasião em que eleições livres e justas foram realizadas nos territórios ocupados [em 2006]. Além disso, é a maior facção em termos do número de afiliados e do escopo de seus recursos. No entanto, acreditamos em parcerias nas atividades políticas, militares e sociais.

Facilitamos as operações de qualquer facção palestina em Gaza, mesmo aquelas afiliadas à Fatah, e fazemos parte da Sala Militar Conjunta, de onde todas as operações militares são coordenadas pelas facções ativas. Nós também estamos operando como parte do Comitê Nacional para a Grande Marcha de Retorno e Quebrando o Cerco, que é composto por uma ampla gama de grupos palestinos.

Eu gostaria de dizer que quando estamos no poder, compartilhamos com nossos irmãos e tomamos juntos as decisões. Uma das diferenças mais importantes entre o Hamas e o Fatah é que o último quer monopolizar as decisões nacionais palestinas e excluir qualquer facção que não adote sua ideologia. Isso é muito claro pela recusa do Fatah em permitir que o Hamas e a Jihad Islâmica se filiem à Organização para a Libertação da Palestina (OLP), embora isso tenha sido acordado em 2005 – dois anos antes da grande divisão – ou seja parte do Conselho Nacional Palestino (PNC).

O Hamas, é claro, tem presença na Cisjordânia; nós estamos lá em todos os níveis da sociedade, mas estamos sendo submetidos a uma dura guerra pela Autoridade Palestina e pela ocupação israelense. A participação nas eleições estudantis em várias universidades palestinas, incluindo Abu Dis, foi de apenas 33%, depois que o Hamas anunciou um boicote porque foi impedido de participar de forma plena e ativa no processo.

Em resumo, se a AP tivesse abdicado da resistência palestina na Cisjordânia, Israel teria saído há muito tempo. À luz da cooperação contínua em segurança, no entanto, o número de colonos judeus tem aumentado; compare os números antes e depois dos Acordos de Oslo. No entanto, nós não desistimos e tentamos lutar contra nosso inimigo, mas estamos ansiosos para enfatizar que não trocaremos agressões com a AP na base do olho por olho.

O que o Hamas faz para proteger Jerusalém, a Mesquita de Al-Aqsa e outros locais sagrados do processo de judaização em andamento de Israel?

Jerusalém e a proteção de locais sagrados islâmicos e cristãos na cidade estão no centro dos esforços do Hamas. Temos planos e projetos para reforçar a resistência dos habitantes de Jerusalém e ajudá-los a permanecer em suas propriedades e terras. Sempre pedimos aos países amigos que assumam o mesmo papel. Também participamos com outros palestinos na defesa da mesquita de Al-Aqsa contra os contínuos ataques e violações cometidos por israelenses. Jerusalém é o carro-chefe de nossa agenda, a capital do nosso estado e não pode haver paz sem ela.

Se os extremistas sionistas conduzem esforços diários para profanar a Mesquita de Al-Aqsa e particioná-la para construir seu “Templo”, todo o nosso povo estará contra eles e contra seus planos.

Em relação à reconciliação com a Fatah, há algo que ainda possa ser oferecido para que a liderança possa apertar a sua mão? Ou existem outras forças nos bastidores sobre as quais o Fatah não pode fazer nada?

O Hamas quer sair do atual dilema nacional e nós estamos abertos a qualquer proposta, seja ela baseada em um acordo de facções ou simultaneamente em eleições parlamentares, presidenciais e da PNC. Mostramos grande flexibilidade nesse sentido, oferecendo muitas concessões, apesar de termos a maioria parlamentar e popular desde 2006. No entanto, a Fatah coloca todo tipo de obstáculos no caminho da unidade nacional e rejeita qualquer parceria política com as outras facções do povo palestino.

Vamos ser claros: Mahmoud Abbas substituiu o governo de unidade nacional liderado por Rami Hamdallah por outro governo sem qualquer acordo nacional; a decisão foi tomada pelo Comitê Central da Fatah, então é sem dúvida um governo da Fatah. No entanto, lidaremos positivamente com os esforços do Egito em relação à reconciliação e unidade nacional, que se tornou uma necessidade para enfrentar os desafios da causa palestina.

Estamos constrangidos com o fato de que os esforços de reconciliação não foram bem-sucedidos devido à inflexibilidade de Mahmoud Abbas. Hoje, infelizmente, a reconciliação está em suas mãos e isso é claro para os palestinos, bem como para os mediadores egípcios e outras potências regionais. As conspirações contra a causa palestina são muito claras, então queremos estar unidos e pedir a nossos amigos árabes e islâmicos que nos ajudem.

Mais uma vez, enfatizo que estamos abertos a qualquer solução que ponha fim à divisão, mesmo que seja necessário um diálogo aberto de reconciliação a fim de tornar nosso povo o intercessor ao processo de paz; porém, isso seria baseado no seguinte:

  • Unidade baseada em uma agenda nacional, não a dominação ou monopólio das decisões palestinas por qualquer facção.
  • Adoção de um governo de unidade nacional em que um de seus principais objetivos seja preparar e conduzir simultaneamente eleições parlamentares, presidenciais e do PNC dentro de um calendário definido, acabando com todos os efeitos da divisão, implementando o que foi acordado entre as facções palestinas e mantendo um reunião abrangente da OLP para que ela cumpra suas tarefas estipuladas no Acordo do Cairo de 2011.
  • Chegar a um acordo que abra caminho para um programa nacional que seria a base para enfrentar todos os desafios.
  • Trabalhar como parte de um programa político palestino unido.
  • Manter todos os princípios palestinos.
  • Parceria, sem dominação da OLP, mas reformando-a e suas instituições.

Qual é a natureza do relacionamento do Hamas com o Egito? É baseado em interesses comuns ou visão estratégica?

É uma extensão da relação histórica entre os palestinos e os egípcios. O Hamas reconhece a importância do Egito na região e seu papel central na questão palestina. Superamos todas as diferenças e temos relações bem desenvolvidas. De fato, as relações entre o Hamas e o Egito são muito melhores do que eram no passado e estamos trabalhando para desenvolvê-las para que se tornem estratégicas e sirvam aos interesses nacionais dos palestinos e dos egípcios.

O relacionamento não está limitado ao problema da reconciliação. Existem muitos assuntos bilaterais que estão atualmente na pauta de discussões.

Ouvimos relatos de que as relações do Hamas com o Qatar regrediram. Qual é a realidade da situação?

Tais relatórios são infundados e destinam-se a prejudicar o relacionamento do Hamas com seus amigos, incluindo o Qatar, fortes em nível popular e governamental. Os palestinos, com o Hamas no coração, não esquecerão o que o Qatar fez por eles. A mais recente, e não a última, ocasião foi a ajuda do xeque Tamim Bin Hamad para aliviar a crise humanitária na Faixa de Gaza.

O Qatar é o país mais importante no auxílio aos palestinos em Gaza. Oferece todo tipo de apoio e trabalha em todos os níveis nos setores médico, social, de reconstrução, infraestrutura e eletricidade.

Sempre seremos gratos àqueles que ajudam nosso povo em qualquer ocasião. Qualquer um que critique o Qatar por “apoiar o Hamas” deveria saber que os projetos de ajuda do Qatar são dirigidos por representante de seu próprio povo, principalmente através do presidente do Comitê de Reconstrução da Faixa de Gaza, Mohammad Al-Emadi, em cooperação com os ministérios de habitação, energia e bem-estar social da Autoridade Palestina.

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasEgitoEntrevistasEUAIsraelOriente MédioPalestinaSíria
Show Comments
Show Comments