Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Catar está sujeito a campanha ‘excessiva’ de críticas à Copa do Mundo, diz chefe do futebol francês

1
Uma visão geral da cerimônia de abertura antes da partida de futebol do Grupo C da Copa do Mundo da FIFA Qatar 2022 entre Argentina e Arábia Saudita no Lusail Iconic Stadium em Lusail, Catar, em 22 de novembro de 2022. [ Salih Zeki Fazlıoğlu - Agência Anadolu]

O presidente da Federação Francesa de Futebol, Noel Le Graet, reconheceu a existência de uma “campanha excessiva” contra o Catar e sua sede da Copa do Mundo este ano, rebatendo uma série de ataques contra o Estado do Golfo.

Em entrevista ao canal de rádio francês RTL, Le Graet abordou as preocupações com o histórico político e de direitos humanos do Catar, dizendo “Acredito que este país é o que é. Eu olho para o lado do futebol. Cabe aos políticos fazer o seu trabalho.”

Ele destacou a parceria econômica entre Paris e Doha, já que “os dois governos não se dão tão mal”, citando também o empresário catariano Nasser bin Ghanim Al-Khelaifi, dono do clube francês Paris Saint-Germain, como exemplo de cooperação. .

Até agora, disse ele, a Copa do Mundo no Catar tem sido um sucesso e fez jus à popularidade dos jogos, citando como prova o fato de que o recorde de audiência da televisão “foi batido na noite de terça-feira; os bistrôs e cafés estavam cheios em todos os lugares”.

LEIA: Cataris usam braçadeiras pró-palestinas em meio aos símbolos políticos na Copa do Mundo

Le Graet também mencionou a questão das braçadeiras ‘one love’ – com um arco-íris em apoio à comunidade LGBTQIa+ – que as seleções de futebol europeias prometeram usar, e desistiram, com o próprio presidente não sendo a favor dessa braçadeira.

Antes do lançamento da Copa do Mundo deste ano e, mesmo atualmente, houve uma enxurrada de críticas contra o Catar como nação anfitriã, tanto de governos quanto de organizações, apontando a ilegalidade da homossexualidade, a violação de muitos direitos dos trabalhadores, e o limite de consumo público de álcool como razões pelas quais não deveria sediar os jogos.

Muitos reagiram a essas críticas, no entanto, chamando-as de uma campanha concertada para impedir que uma nação árabe ou de maioria muçulmana hospede jogos internacionais de tamanha popularidade.

O apelo de Le Graet para deixar a política fora da Copa do Mundo ecoa o apelo do presidente da FIFA, Gianni Infantino, para que os países “se concentrem no futebol”.

LEIA: Copa do Mundo: trabalho escravo na construção civil aproxima Catar e Brasil

Categorias
CatarCopa do Mundo Catar 2022FIFANotíciaOrganizações InternacionaisOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments